MAN vê produção da caminhões até 25% maior por montadoras no Brasil em 2013

terça-feira, 11 de dezembro de 2012 16:49 BRST
 

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO, 11 Dez (Reuters) - A fabricante de caminhões e chassis de ônibus MAN Latin America espera crescimento de 20 a 25 por cento na produção de caminhões pelas fabricantes instaladas no país no próximo ano, recuperando parte de um tombo de dois dígitos previsto para 2012.

Em entrevista à Reuters, o presidente da divisão latino-americana da fabricante controlada pela Volkswagen, Roberto Cortes, afirmou que o crescimento das vendas de caminhões pelas montadoras no Brasil deve ser da ordem de 7 por cento, em linha com estimativas da associação de montadoras Anfavea, que previu alta entre 7 e 7,5 por cento em 2013 na semana passada.

A diferença das estimativas de aumento para produção e vendas decorre do atual baixo nível de estoques do setor, disse Cortes, avaliando o volume como suficiente para atender 20 dias de vendas ante um nível de dois meses no início de 2012.

"No primeiro trimestre deste ano, as vendas da indústria caíram 6 por cento (sobre o mesmo período do ano anterior). No segundo trimestre, caímos 25 por cento e no terceiro, 35 por cento... E agora o acumulado de outubro e novembro nós caímos só 7 por cento", disse Cortes.

"Realmente houve uma reversão, paramos de cair dois dígitos (...) Entramos bastante pessimistas no ano, mas em 2013 vamos entrar bastante otimistas", disse o executivo.

Nos primeiros 11 meses de 2012, a MAN acumula queda de 19 por cento nas vendas sobre o mesmo período de 2011, para 37.494 unidades, na liderança do setor. Mas apenas em novembro, as vendas apontaram alta de 12,7 por cento sobre outubro e recuo de 5 por cento na comparação anual.

O mercado brasileiro de caminhões enfrentou em 2012 período de transição em que a legislação obrigou a venda de veículos com motores mais limpos em termos de emissões de poluentes, porém mais caros. A mudança causou forte antecipação de compras no fim de 2011 e aumento de estoques, o que foi agravado pelo baixo crescimento da economia este ano.

De janeiro a novembro, as vendas de caminhões no país acumulam queda de 19,5 por cento, enquanto a produção registra tombo de 39 por cento. Com o desempenho negativo, o governo federal tomou uma série de medidas para incentivar as vendas, com a mais recente sendo a renovação por um ano do Programa de Sustentação do Investimento (PSI) com juros reduzidos para compra de caminhões e bens de capital.   Continuação...