Bancos de investimento enfrentam fraqueza em mercados emergentes

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012 08:25 BRST
 

LONDRES, 26 Dez (Reuters) - Enfrentando dificuldades em seus mercados tradicionais com receitas fracas e regras mais duras de capital e nível de endividamento, os bancos de investimento estão agora enfrentando problemas em negócios que eram tidos como mais promissores, os mercados emergentes.

As comissões estão recuando por causa de uma acentuada queda na atividade de ofertas iniciais de ações e fusões nestas economias emergentes.

Por conta do cenário econômico instável e fraqueza no valor das ações, não chega a ser surpreendente que os volumes de operações globais estão sendo atingidos. Mas o recuo nos mercados emergentes, uma área em que os bancos tinham fortes esperanças para guiar o crescimento, está especialmente íngreme.

A situação é um dos principais fatores que têm forçado muitos bancos a reavaliarem seus negócios com bancos de investimento nas regiões emergentes, justamente onde mais se expandiram nos últimos anos, afirmou James Sproule, diretor de pesquisa de mercados de capitais na Accenture, em Londres.

Ele estima que os bancos ocidentais conduziram mais da metade de todas as operações de financiamento envolvendo ações em mercados emergentes no ano passado, comparado com nível de apenas 22 por cento em 2005.

A maior parte dos recursos foi obtida com ofertas iniciais de ações (IPOs), onde os bancos coordenadores deste tipo de operação ficam com 3 a 4 por cento do dinheiro levantado junto a investidores. E conforme os IPOs em mercados emergentes foi crescendo, as comissões dos bancos também aumentou, atingindo 6,5 bilhões de dólares em 2007, uma alta de seis vezes desde 2000.

Mas agora um doloroso retrocesso começou.

As comissões por IPOs em mercados emergentes caíram praticamente pela metade em 2012 em relação ao ano anterior, para 2,8 bilhões de dólares, segundo dados compilados pela Thomson Reuters. Enquanto isso, operações de fusão nessas regiões caíram 16 por cento sobre 2011 ante um recuo de 4 por cento no mundo.

O tamanho das operações também tem sofrido. Uma oferta de ações do Santander no México, de 4 bilhões de dólares, assumiu o topo de IPOs este ano, muito longe de 2009 e 2010, quando operações gigantes como do Agricultural Bank of China, que levantou 22 bilhões de dólares, e o IPO de 9 bilhões de dólares do Santander em São Paulo.   Continuação...