Tempestade danifica armazéns públicos de grãos em Paranaguá

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012 18:10 BRST
 

SÃO PAULO, 27 Dez (Reuters) - Os ventos fortes e a chuva intensa que atingiram Paranaguá (PR) na quarta-feira danificaram parte da estrutura pública de armazenagem de grãos de um dos principais portos de exportação de produtos agrícolas do país, informou a administração portuária nesta quinta-feira.

O prejuízo só não foi maior porque os silos públicos de grãos estavam em manutenção de entressafra, quando cai de forma significativa o movimento de exportação de soja pelo porto paranaense, afirmou a assessoria de imprensa.

A tempestade danificou parte da cobertura do silo público de granéis, conhecido como "Silão". No cais, o armazém 12 teve parte do telhado danificado; e, no pátio de triagem, a nova portaria ficou parcialmente destruída, segundo nota da administração do porto.

O "Silão" tem capacidade para armazenar 100 mil toneladas. O outro armazém pode receber 15 mil toneladas. A estrutura pública de armazenagem representa 16 por cento da capacidade do porto --nos terminais privados, a capacidade é de 825 mil toneladas.

"Por sorte não tivemos pessoas feridas. Agora o trabalho será intenso para que os produtos ainda armazenados no silo e nos armazéns atingidos, por exemplo, não sejam danificados. Recuperar com rapidez a estrutura do pátio de triagem também é essencial para atender a demanda de caminhões que promete ser alta já no início do ano", disse em nota o superintendente dos portos de Paranaguá e Antonina, Luiz Henrique Dividino.

A diretoria técnica do porto está finalizando o orçamento para a realização dos reparos. O objetivo é fazer o serviço emergencialmente e terminá-lo em 15 dias, antes do início do escoamento da nova safra, segundo a assessoria de imprensa do porto.

Independentemente das avarias pela tempestade, a parte pública do porto ficaria paralisada até 9 de janeiro, por conta da manutenção programada dos equipamentos.

(Por Roberto Samora)