ANÁLISE-Para líderes do Senado, Obama tem missão impossível pela frente

sábado, 29 de dezembro de 2012 17:20 BRST
 

Por Richard Cowan

SÃO PAULO, 29 Dez (Reuters) - Depois da reunião com líderes do Congresso, um presidente Obama impaciente e irritado disse que era "incompreensível" que o Congresso não tenha sido capaz de consertar a confusão do abismo fiscal que todos conhecem há mais de um ano.

Em seguida, enviou o líder da maioria do Senado, o democrata Harry Reid, e o líder republicano da minoria, Mitch McConnell, para uma missão surpreendente: preparar um projeto de lei bipartidário para acabar com o impasse no Congresso mais emperrado dos tempos modernos em cerca de 48 horas.

Reid e McConnell, táticos veteranos, conhecidos por sua rivalidade de longa data, já trilharam este caminho antes.

Sua última empreitada comum não teve muito êxito. Foi o acordo, em agosto de 2011 para evitar um calote que preparou o terreno para a atual confusão. Aquele esforço, assim como este, resultou de um grande esquema de redução de déficit que se transformou em um fracasso.

Mas eles nunca estiveram em uma situação tão adversa, com tantos pontos negativos, enquanto buscam evitar o abismo fiscal -fortes aumentos de impostos que entrarão em vigor na terça-feira e cortes automáticos dos gastos do governo, a partir de quarta-feira, num total de 600 bilhões de dólares.

As substanciais diferenças são apenas parte do desafio. Outros obstáculos incluem preocupações em saber quem levará a culpa e o legado de desconfiança entre os membros do Congresso. Qualquer acordo bem sucedido vai exigir medidas para salvar as aparências, tanto paras republicanos quanto para democratas.

A principal divergência entre eles são as reduções de impostos, inicialmente criadas pelo ex-presidente republicano George W. Bush, que vão expirar no final deste ano.

Os republicanos querem estender o benefício para todos, enquanto que os democratas querem eliminá-los para os contribuintes mais ricos.   Continuação...