Fortes ganhos em bolsas da Ásia são ofuscados por abismo fiscal nos EUA

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012 09:00 BRST
 

SYDNEY, 31 Dez (Reuters) - Vários índices acionários asiáticos fecharam nesta segunda-feira com os ganhos anuais mais fortes em anos, mas eles foram ofuscados pela falta de avanço nas negociações para evitar o "abismo fiscal" nos Estados Unidos.

As ações australianas encerraram com alta de 14,6 por cento em 2012, o melhor ganho anual desde a recuperação de 2009. Na segunda-feira, a bolsa de Sydney fechou com queda de 0,48 por cento, a 4.648 pontos. Na sexta-feira, o índice havia subido 0,5 por cento, para 4.671 pontos, maior fechamento desde 2 de junho de 2011.

Já as ações de Hong Kong encerraram o melhor ano desde 2009 perto das máximas de fechamento em 18 meses. O índice Hang Seng fechou com leve queda de 0,04 por cento com 22.656 pontos, encerrando o ano com alta de 22,9 por cento, perto do maior fechamento desde julho de 2011.

Por sua vez a bolsa de Cingapura terminou com queda de 0,8 por cento, a 3.167 pontos, mas avançou 20,6 por cento desde o início do ano, o melhor ganho anual desde 2009, quando subiu 64 por cento.

O índice referencial de Xangai teve alta de 1,61 por cento.

Os fortes fechamentos desta segunda-feira aconteceram em meio aos mercados fechados no Japão, Coreia do Sul, Taiwan, Indonésia, Tailândia, Filipinas e Vietnã devido aos feriados de final de ano. Na Austrália, Nova Zelândia, Hong Kong e Cingapura as sessões foram reduzidas.

O Nikkei do Japão encerrou 2012 com alta de 23 por cento na sexta-feira, a bolsa de Seul terminou com ganhos de 9,4 por cento no ano e Taiwan avançou 9 por cento.

Os ganhos impulsionaram o índice MSCI, que reúne mercados da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão, para uma alta de 12,6 por cento neste ano. Às 8h56, horário de Brasília, o índice perdia 0,03 por cento.

Investidores temem que esses ganhos tenham vida curta, uma vez que o Congresso norte-americano e a Casa Branca têm dificuldades para chegar a um acordo para evitar o abismo fiscal --altas tributárias e cortes de gastos que entrarão em vigor no início de 2013.

"Difícil prever como ou quando haverá um acordo, mas eu acredito que investidores mostrarão seu descontentamento amanhã vendendo ações se não houver um acordo", disse o diretor da Beam Capital Management, Mohannad Aama.