Com fluxo positivo e efeito de medidas do BC, dólar cai 0,53%

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013 18:13 BRST
 

Por Danielle Fonseca

SÃO PAULO, 3 Jan (Reuters) - O dólar fechou em queda ante o real nesta quinta-feira pela segunda sessão seguida, com fluxo positivo da moeda norte-americana favorecido por recentes medidas do Banco Central para facilitar a entrada de capitais externos no país.

A moeda norte-americana caiu 0,53 por cento, a 2,0351 reais na venda. A moeda oscilou entre a máxima de 2,0497 reais, logo na abertura da sessão, e a mínima de 2,0342 reais, depois que passou a cair durante a tarde.

Segundo dados da BM&F, o volume negociado foi de 2,599 bilhões de dólares.

"O mercado começa a vislumbrar que há possibilidade de voltar mais fluxo para o Brasil e vai começar a testar pisos mais baixos do dólar", afirmou o gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo.

Segundo operadores, entradas pontuais da divisa norte-americana fizeram a moeda passar a operar em queda nesta tarde, mas a expectativa é que o fluxo possa voltar a ser positivo, por conta das medidas recentes adotadas pelo BC e do fim do período de festas --período sazonal de maior saída de dólares do país.

Dados do fluxo cambial, divulgados nesta tarde pelo BC, reforçaram essa expectativa. O fluxo ficou positivo em 312 milhões de dólares na semana passada, puxado principalmente por entrada de divisas pela conta comercial, após uma forte saída da divisa na semana anterior.

Desde dezembro, a autoridade monetária e o governo tomaram uma série de ações que favorecem a entrada de dólares no país, como medidas que envolvem o pagamento antecipado de exportações e o prazo de empréstimos externos.

O BC também intensificou sua atuação por meio de leilões, incluindo dois leilões de swap cambial tradicional, equivalentes a venda de dólares no mercado futuro, quando o dólar operava em queda e em torno de 2,07 reais na quarta-feira da semana passada. Para analistas, tal ação sinalizou que a autoridade monetária está preocupada com repasses inflacionários decorrentes de um real mais desvalorizado.   Continuação...