8 de Janeiro de 2013 / às 21:08 / 5 anos atrás

Ibovespa cai 1,3%, pressionado por cenário externo e elétricas

Por Danielle Assalve

SÃO PAULO, 8 Jan (Reuters) - O principal índice brasileiro de ações encerrou os negócios desta terça-feira em queda, pressionado pelo clima de cautela no exterior e por um cenário que muitos analistas consideram "crítico" para o setor elétrico brasileiro.

O Ibovespa perdeu 1,3 por cento, a 61.127 pontos. Com o novo recuo, o índice reduziu os ganhos acumulados no ano para 0,3 por cento. O giro financeiro do pregão foi de 7,45 bilhões de reais.

Companhias elétricas voltaram a liderar as perdas do índice, com destaque para a estatal federal Eletrobras, cuja preferencial classe B afundou 9,35 por cento, a 9,69 reais.

Essa foi a pior queda diária de fechamento desde 21 de novembro, quando o papel derreteu 20 por cento, com o mercado temendo os impactos da renovação antecipada de concessões do setor.

Desta vez, a preocupação é com a situação crítica dos reservatórios de hidrelétricas e a escassez de chuvas, o que tem motivado o mercado a especular sobre a possibilidade de racionamento de energia, o que implicaria em perda de receita para companhias do setor.

O governo nega a hipótese. Nas últimas 42 horas, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, o secretário-executivo do Ministério, Márcio Zimmermann, e o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, descartaram um racionamento de energia no país.

O clima externo negativo também pesou na Bovespa, com investidores mais cautelosos à espera do início da temporada de balanços do quarto trimestre.

"Se os resultados corporativos acompanharem o crescimento da economia no Brasil e no mundo, fica difícil imaginar que teremos balanços muito bons pela frente", disse o gerente de renda variável da corretora H.Commcor, Ariovaldo Santos, em São Paulo.

"Eu estava começando a ficar otimista com a bolsa nos primeiros dois dias do ano, mas já estou mais pessimista de novo", disse Santos. "Não temos notícias boas o suficiente para alimentar e firmar uma alta da bolsa."

Dentre as blue chips, a preferencial da Petrobras caiu 2,89 por cento, a 19,50 reais. OGX teve baixa de 4,36 por cento, a 4,83 reais. A preferencial da mineradora Vale perdeu 0,62 por cento, a 40,10 reais.

Em sentido oposto, o setor bancário foi o destaque positivo da sessão. Estrategistas do Bank of America Merrill Lynch recomendaram redução de exposição a ações de segmentos industriais do Brasil e substituição de parte destes papéis por ações de companhias do setor financeiro.

MMX, mineradora do empresário Eike Batista, tombou 3,6 por cento, a 4,29 reais. A empresa foi autuada em 3,8 bilhões de reais pela Receita Federal referentes ao recolhimento do Imposto de Renda e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) no ano base 2007.

A fabricante de cosméticos Natura, de quem a Receita está cobrando 627,8 milhões de reais, acrescidos de multas e juros, por impostos supostamente não recolhidos por uma de suas controladas em 2008, recuou 4,65 por cento.

Em Wall Street, o índice Dow Jones tinha queda de 0,4 por cento às 18h28 (horário de Brasília), enquanto o S&P 500 perdia 0,3 por cento. Mais cedo, o principal índice europeu de ações fechou em baixa de 0,12 por cento.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below