Índices dos EUA têm ganho após resultados da Alcoa

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013 20:00 BRST
 

Por Gabriel Debenedetti

NOVA YORK, 9 Jan (Reuters) - Os principais índices acionários norte-americanos fecharam em alta nesta quarta-feira, à medida que o primeiro grupo de balanços corporativos começou a exercer efeito sobre as ações, sem oferecer, no entanto, uma direção clara sobre qual será a performance das empresas do país no quarto trimestre.

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, avançou 0,46 por cento, para 13.390 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve valorização de 0,27 por cento, para 1.461 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq subiu 0,45 por cento, para 3.105 pontos.

Os ganhos foram os primeiros na semana após o S&P 500 se afastar de sua máxima em cinco anos, atingida na sexta-feira. Temores sobre uma temporada fraca de balanços contribuíram para um recuo nos papéis na segunda e na terça-feira.

A ação da Herbalife fechou com alta de 4,2 por cento, para 39,95 dólares, em seu dia de negociações mais ativo na história, após o gestor de hedge fund Dan Loeb adquirir uma grande fatia na vendedora de suplementos nutricionais.

A ação da Alcoa, por sua vez, recuou 0,5 por cento, para 9,08 dólares, após registrar ganhos no início do pregão seguindo-se à publicação dos resultados após o fechamento dos mercados na terça-feira.

A maior produtora de alumínio dos EUA disse também na ocasião esperar que a demanda global por alumínio cresça em 2013.

"A grande questão e o foco estão na receita, e a Alcoa teve receita melhor do que o esperado", o que acalmou um pouco o mercado, avaliou o gestor de portfólio do Team Asset Strategy Fund James Dailey.

Menores expectativas abrem espaço para que as empresas surpreendam investidores, mesmo se seus resultados não forem particularmente fortes.

De maneira geral, espera-se que os lucros corporativos superem a irrisória alta de 0,1 por cento registrada no trimestre anterior. Projeta-se que tanto o lucro quanto a receita no quarto trimestre avancem 1,9 por cento, de acordo com dados da Thomson Reuters.

(Reportagem adicional de Angela Moon)