Vendas do Grupo Pão de Açúcar desaceleram no 4o tri e ações caem

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013 13:09 BRST
 

Por Vivian Pereira

SÃO PAULO, 11 Jan (Reuters) - O Grupo Pão de Açúcar fechou o quarto trimestre, o mais importante para o varejo, com vendas maiores na comparação anual, porém em ritmo inferior ao visto nos três meses anteriores, sinalizando que o setor de consumo pode não ter deixado totalmente para trás a desaceleração do crescimento.

A maior varejista do país teve vendas líquidas de 14,584 bilhões de reais entre outubro e dezembro, alta de 9,1 por cento sobre um ano antes, no trimestre marcado pelo Natal. De julho a setembro, as vendas líquidas haviam crescido 9,7 por cento na comparação anual.

Já no conceito mesmas lojas --que considera apenas unidades em operação há pelo menos 12 meses--, as vendas subiram 5,8 por cento no quarto trimestre, também abaixo do avanço de 7,1 por cento apurado nos três meses anteriores.

"Houve uma acomodação (das vendas) no quarto trimestre, mas superamos o fraco segundo trimestre e ficou dentro do que esperávamos", disse à Reuters nesta sexta-feira o diretor de Relações Corporativas e de Relações com Investidores do grupo, Vitor Fagá. "Sempre poderia ter sido melhor, mas foi um bom final de ano, na relação anual."

As ações do Pão de Açúcar exibiam queda de 3,5 por cento às 13h03, a 88,74 reais. Era a maior baixa entre os papéis que integram o Ibovespa, que recuava 0,5 por cento.

Assim como outras varejistas, o Pão de Açúcar viu as vendas crescerem menos que o esperado ao longo dos trimestres do ano passado, com os consumidores mais cautelosos apesar de medidas de incentivo adotadas pelo governo. Nesse sentido, a aposta da companhia estava no último trimestre do ano.

Em agosto, o presidente-executivo do Pão de Açúcar, Enéas Pestana, afirmou que a empresa deveria ter um quarto trimestre melhor que o de 2011, referindo-se ao período que conta com as vendas de Natal, que chegam a ser entre 40 e 60 por cento superiores às de um mês convencional.

Segundo Fagá, as vendas no período de Natal foram cerca de 7 por cento maiores ante 2011 e ficaram "dentro do esperado, já que era uma base de comparação anual forte".   Continuação...