Premiê do Japão: BC local deve adotar meta de inflação de 2% a médio prazo

domingo, 13 de janeiro de 2013 15:26 BRST
 

TÓQUIO, 13 Jan (Reuters) - O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, disse que o Banco do Japão (banco central do país) deve definir uma meta de inflação de 2 por cento e torná-la um objetivo de médio prazo, e não de longo, para mostrar aos mercados em que está determinado a prosseguir com o alívio monetário encerrar quase duas décadas de deflação.

O governo está negociando com o banco central para emitir uma declaração conjunta este mês para mudar a meta de inflação para 2 por cento, o dobro do objetivo atual.

"O banco basicamente diz que vê um por cento de inflação como meta frouxa. Isso não mostra que é responsável para alcançá-la e não mostra sua firme determinação", disse neste domingo Abe à emissora pública NHK.

"A declaração deve dizer claramente que 2 por cento é o alvo. Isso levaria a mudanças fundamentais (na forma como orienta a política", disse ele.

O Banco do Japão definiu sua atual meta de inflação de 1 por cento em fevereiro passado e aliviou a política monetária cinco vezes em 2012.

O Japão está preso em sua quarta recessão desde 2000 e sua economia de exportação-suficientes está sofrendo de um iene forte.

Abe, que venceu a eleição em dezembro passado, aumentou a pressão sobre o banco central para esforços mais ousados ​​para vencer a deflação, garantir a sua independência sobre a política monetária se suas exigências não forem atendidas.

Sob intensa pressão, o banco central irá considerar a flexibilização da política monetária em sua revisão no final de janeiro e responder às chamadas de Abe para dobrar sua meta de inflação.

Na declaração conjunta provavelmente para ser lançada em 22 de janeiro, o Banco do Japão pretende descrever o novo alvo como uma meta de longo prazo, sem fixar um prazo específico, deixando a flexibilidade na condução da política monetária no futuro.

 
Premiê do Japão, Shinzo Abe, fala durante coletiva de imprensa em sua residência oficial, em Tóquio. O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, disse que o Banco do Japão (banco central do país) deve definir uma meta de inflação de 2 por cento. 11/01/2013 REUTERS/Issei Kato