Dow e S&P avançam após dados de varejo; Apple pressiona Nasdaq

terça-feira, 15 de janeiro de 2013 20:10 BRST
 

Por Caroline Valetkevitch

NOVA YORK, 15 Jan (Reuters) - Os índices Dow Jones e S&P 500 fecharam com leve alta nesta terça-feira após a publicação de dados sobre varejo mais fortes do que o esperado, embora a peso-pesado Apple tenha impactado negativamente o mercado pelo terceiro pregão consecutivo.

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, avançou 0,2 por cento, para 13.534 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve valorização de 0,11 por cento, para 1.472 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 0,22 por cento, para 3.110 pontos.

A Apple representou o maior peso sobre o S&P 500 e o Nasdaq 100 após notícias publicadas na segunda-feira darem conta de cortes a encomendas de peças de iPhone. O papel da companhia registrou contração de 3,2 por cento, para 485,92 dólares, e fechou abaixo de 500 dólares pela primeira vez desde fevereiro do ano passado.

Já papéis de empresas de varejo avançaram após a divulgação de um relatório do governo mostrando que as vendas no setor subiram mais do que o esperado em dezembro, o que foi encarado como uma notícia favorável para o crescimento no quarto trimestre.

Outro relatório mostrou nesta terça-feira que a atividade manufatureira no Estado de Nova York se contraiu pelo sexto mês consecutivo em janeiro. A pesquisa é um dos indicadores mensais iniciais sobre as condições industriais dos EUA.

"Notícias um pouco melhores do que o esperado sobre vendas no varejo mais uma vez reforçam que o consumidor permanece vivo e razoavelmente bem", disse o estrategista-chefe de investimentos do Janney Montgomery Scott na Filadélfia, Mark Luschini, que administra cerca de 54 bilhões de dólares em ativos.

Entre as varejistas, a American Eagle Outfitters ganhou 4,8 por cento, para 20,58 dólares, e a Gap avançou 3,4 por cento, para 32,46 dólares. O índice de varejo do Morgan Stanley teve variação positiva de 1,5 por cento.

O debate sobre o teto da dívida norte-americana também deteve a atenção dos investidores nesta terça-feira. Na véspera, o presidente Barack Obama, rejeitou qualquer negociação com republicanos sobre a nova questão fiscal, recusando-se a trocar cortes nos gastos do governo pelo aumento do limite da dívida.

(Reportagem adicional de Chuck Mikolajczak)