Governo do RJ diz que punirá EBX por dano ambiental no Porto do Açu

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013 20:31 BRST
 

RIO DE JANEIRO, 16 Jan (Reuters) - O grupo EBX, do empresário Eike Batista, vai ser punido com medidas corretivas pela Secretaria do Ambiente do Rio de Janeiro por conta do aumento da salinização da água na região do Superporto do Açu, em São João da Barra, litoral norte fluminense, disse nesta quarta-feira o secretário Carlos Minc.

Os detalhes da punição serão apresentados na semana que vem pela secretaria e pelo Inea (Instituto do Ambiente do Rio de Janeiro), disse Minc.

"Verificamos problemas de aumento de salinização no Açu com base em um estudo da universidade (UENF) e na semana que vem vamos anunciar as medidas corretivas", afirmou Minc a jornalistas, sem detalhar se as medidas corretivas podem ser um termo de ajustamento de conduta (TAC), multa ou outra iniciativa.

O empresário Eike Batista, questionado sobre a perspectiva de punição ao grupo EBX, minimizou a questão.

"São coisas que vêm com projetos gigantescos no Brasil. Faz parte", disse ele rapidamente, ao sair de uma reunião no Ministério de Minas e Energia, em Brasília.

Segundo Carlos Minc, um estudo feito pela Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF) apontou que a construção do porto provocou um aumento do teor de sal na água da região, incluindo lençóis freáticos e lagoas.

A salinização foi causada pela dragagem de areia do fundo do mar, disse ele.

"Nossos técnicos e do Inea foram lá e confirmaram a denúncia. O material retirado do fundo do mar tem mais sal... Isso pode influir na fauna, pesca e agricultura", declarou o secretário.

A obra do Porto é conduzida pela LLX, empresa de logística do grupo EBX.   Continuação...