Crédito imobiliário voltará a acelerar em 2013, com alta de 15%

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013 12:51 BRST
 

Por Vivian Pereira

SÃO PAULO, 23 Jan (Reuters) - As concessões de crédito imobiliário devem voltar a acelerar este ano, com crescimento de pelo menos 15 por cento em relação a 2012, quando uma readequação do setor levou a desempenho abaixo do esperado.

Os recursos concedidos pelo Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) para financiamento imobiliário no país devem alcançar recorde de 95,2 bilhões de reais em 2013, alta de 15 por cento sobre os 82,8 bilhões liberados no ano passado, informou nesta quarta-feira a associação que representa o setor no país, Abecip.

"A carteira de crédito imobiliário foi eleita como prioridade pelos bancos brasileiros em 2013", disse o presidente da Abecip, Octavio de Lazari Júnior. "O crédito imobiliário vai ter crescimento muito importante este ano, de 15 por cento ou mais, com a retomada dos lançamentos e a demanda aquecida".

A Abecip iniciou 2012 com projeção de que o financiamento para compra e construção de imóveis somaria 103,9 bilhões de reais no ano. Em julho, a estimativa foi reduzida para 95,9 bilhões e, em dezembro, Lazari afirmou à Reuters que os recursos deveriam atingir cerca de 85 bilhões de reais no fechado do ano.

O resultado abaixo do esperado foi influenciado principalmente pela menor demanda por financiamento por parte das construtoras, que reduziram o nível de lançamentos para vender estoques e adequar suas operações. Dos 82,8 bilhões concedidos, apenas 28,1 bilhões foram destinados a construção de empreendimentos.

O desempenho do ano passado representou uma alta de 3,6 por cento sobre os 79,9 bilhões concedidos em 2011. Os números não consideram recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Em número de unidades, foram financiados 453 mil imóveis no último ano, 8 por cento menos que no anterior, refletindo a combinação de redução dos lançamentos pelas construtoras e preços em alta.

"Tivemos um freio de arrumação em 2012, necessário para ter crescimento sustentável a partir de 2013", afirmou Lazari, assinalando que o mercado imobiliário "passou a ter um novo tamanho".   Continuação...