25 de Janeiro de 2013 / às 10:24 / em 5 anos

PIB da Grã-Bretanha flerta com nova recessão

PIB britânico caiu 0,3 por cento no quarto trimestre. Previsão anterior era de um declínio de 0,1 por cento. 23/01/2013 REUTERS/Stefan Wermuth

LONDRES, 25 Jan (Reuters) - A queda na produção no Mar do Norte, a retração na indústria e no rescaldo dos Jogos Olímpicos resultaram em uma contração maior do que o esperado da economia britânica no quarto trimestre, que se aproxima da terceira recessão em quatro anos.

O Produto Interno Bruto (PIB) caiu 0,3 por cento no período outubro-dezembro de acordo com estimativas preliminares divulgados pelo Escritório Nacional de Estatísticas, enquanto os economistas consultados pela Reuters esperavam um declínio de 0,1 por cento.

De julho a setembro, o PIB cresceu 0,9 por cento, beneficiado, entre outros, pelo impacto dos Jogos Olímpicos de Londres.

O número para o quarto trimestre é um duro golpe para o governo de David Cameron, que está lutando para justificar a continuação da política de austeridade fiscal apontada como responsável por reduzir a recuperação.

Falando logo após a publicação dos dados, o ministro das Finanças, George Osborne, considerou que a queda do PIB ilustra problemas reais, como a fraca demanda na zona do euro, mas descartou qualquer inflexão política.

“Nós podemos fugir desses problemas ou enfrentá-los”, disse ele a jornalistas em Davos. “Eu estou determinado a enfrentá-los, para que possamos continuar a criar empregos”.

O declínio no PIB também aumenta o risco de uma perda do rating “triple A”.

A libra caiu para o menor nível em cinco meses contra o dólar em mais de um ano em relação ao euro após o lançamento de valores do PIB.

INÍCIO DO ANO DE DESAFIOS

”Este é um resultado muito decepcionante“, declarou Philip Shaw, economista da Investec. ”Os mercados sabem que estes números podem ser revistos (...), é claro que, nesse meio tempo, os comentários incidir“ao sobre a possibilidade de uma terceira recessão.”

A economia britânica acusa hoje uma desaceleração de 3,3 por cento desde o seu pico no primeiro trimestre de 2008 e recuperou o terreno perdido durante a crise financeira, um desempenho pior do que a de outras grandes economias desenvolvidas.

No quarto trimestre, a produção nas indústrias de mineração e energia caiu 10,2 por cento, a maior queda desde o início da série de dados em 1997, que é devido a problemas de produção em vários campos petróleo e gás no Mar do Norte.

Esse problema diminuiu 0,18 por cento do PIB, enquantos outros danos à economia foram causados por quedas na produção industrial, no governo e na categoria de outros serviços, onde os Jogos Olímpicos de Londres haviam impulsionado esportes e serviços de recreação no terceiro trimestre.

A produção industrial diminuiu 1,8 por cento.

O presidente do Banco de Inglaterra, Mervyn King, disse esperar uma “leve recuperação” este ano. O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu ligeiramente esta semana sua previsão de crescimento em 2013 para 1,0 por cento contra 1,1 por cento esperado em outubro.

“O Banco da Inglaterra prevê um retorno ao crescimento no primeiro trimestre, mas essa previsão provavelmente serã decepcionante”, disse Rob Wood, economista do Banco Berenberg.

Reportagem de David Milliken

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below