ENTREVISTA-BB vai acelerar empréstimos para infraestrutura em 2013

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013 18:33 BRST
 

SÃO PAULO, 4 Fev (Reuters) - A infraestrutura deve ser o carro-chefe do crescimento da carteira de crédito do Banco do Brasil em 2013, disse nesta segunda-feira à Reuters o vice-presidente de Atacado, Negócios Internacionais e Mercado de Capitais da instituição, Paulo Rogério Caffarelli.

"Queremos aumentar a participação de infraestrutura na nossa carteira total de empréstimos", disse Caffarelli, adicionando que no final de 2012 a carteira de atacado representava cerca de 46 por cento dos financiamentos totais do banco. "Logo, ela poderá representar mais de metade da carteira".

Segundo o executivo, o banco montou uma força-tarefa interna para agilizar a liberação de empréstimos destinados para grandes projetos, sejam os que envolverem recursos próprios do banco ou os repasses do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Os setores que devem receber a maior parte dos recursos são os de rodovias, óleo e gás (incluindo estaleiros) e mineração.

Em setembro de 2012, último dado público do banco, a carteira de capital de giro do BB estava em 132,4 bilhões de reais, enquanto a de investimentos somava 39,8 bilhões de reais, com expansão de 25 por cento e 11,2 por cento, respectivamente.

O executivo evitou falar em projeções porque o banco está em período de silêncio, já que divulgará seus resultados do quarto trimestre no próximo dia 21.

O movimento acontece quase um ano após o BB, junto com a Caixa Econômica Federal, ter atendido a orientação do governo federal para os bancos estatais ampliarem o crédito ao consumo, como meio de evitar uma desaceleração ainda maior da economia.

Operando numa velocidade muito maior que os concorrentes privados, que preferiram a moderação diante de um cenário de aumento da inadimplência, BB e Caixa viram suas fatias de mercado no crédito aumentarem em 2012.

Agora, a meta do BB é canalizar o maior volume de concessões para infraestrutura. O movimento ocorre num momento de queda do investimento na economia, com a formação bruta de capital fixo tendo recuado por cinco trimestres até setembro, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

(Por Aluísio Alves)