Brasil aprova isenção de tarifa para trigo de fora do Mercosul

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013 19:00 BRST
 

Por Leonardo Goy e Roberto Samora

BRASÍLIA/SÃO PAULO, 5 Fev (Reuters) - O governo brasileiro aprovou nesta terça-feira a isenção de tarifa de importação para um volume de 1 milhão de toneladas de trigo de fora do Mercosul, após uma quebra de safra na região que gerou alta nos preços da commodity e apertou as margens da indústria.

A isenção na Tarifa Externa Comum (TEC) de 10 por cento para essa cota será válida no período de abril a julho, segundo decisão da Câmara de Comércio Exterior (Camex).

O Brasil terminou recentemente a colheita de uma safra de 4,3 milhões de toneladas, ante 5,8 milhões na temporada passada, uma queda decorrente de uma redução da área plantada de mais de 10 por cento e também por problemas climáticos no Rio Grande do Sul.

Adversidades climáticas também prejudicaram a safra e a qualidade do trigo da vizinha Argentina, tradicionalmente o principal fornecedor do produto aos moinhos brasileiros.

A safra argentina caiu em 4,5 milhões de toneladas na atual temporada, para 11 milhões de toneladas, segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

Isso num momento em que o Brasil deverá ter a sua maior importação de trigo em mais de cinco temporadas, pelo menos, estimada em 7 milhões de toneladas pelo governo brasileiro. O consumo brasileiro é estimado em 10,4 milhões de toneladas ao ano, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

"É uma medida que atende a uma demanda do setor, porque efetivamente não temos trigo argentino, e o problema é esse. É uma demanda que o setor precisava como um todo, embora a cota deva ser usada principalmente pelos moinhos do Nordeste", afirmou o presidente do Conselho Deliberativo da Abitrigo, a entidade que reúne a indústria, Luiz Martins.

Segundo ele, o trigo importado dentro da cota isenta da tarifa deverá vir principalmente dos Estados Unidos e do Canadá, países que têm tradição de fornecer ao Brasil quando há escassez no Mercosul. As indústrias do Nordeste seriam as mais beneficiadas pela maior proximidade, na comparação com os moinhos do Sul e Sudeste.   Continuação...