Demanda do Brasil por gás da Bolívia cresce 59% em janeiro

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013 19:08 BRST
 

LA PAZ, 5 Fev (Reuters) - A falta de chuva forçou o Brasil a aumentar em 59 por cento as suas compras de gás natural da Bolívia em janeiro em comparação com o mesmo mês em 2012, informou terça-feira a petrolífera boliviana estatal YPFB.

O envio de gás para o mercado brasileiro, principalmente para a região industrial de São Paulo, saltou para uma média de 31,60 milhões de metros cúbicos por dia (mmcd), o máximo previsto no contrato vigente, ante os 19,87 mmcd de um ano antes.

"O Brasil está exigindo o volume máximo do contrato devido à demanda de geração térmica, já que tem baixos volumes de água em suas reservas. Não choveu no país vizinho e seus reservatórios estão baixos", disse o diretor nacional de gás natural da YPFB, Jorge Sosa.

A YPFB, proprietária de todo o gás que é explorado na Bolívia, não teve dificuldade em atender à demanda brasileira extraordinária, disse o funcionário citado em um relatório da empresa, sem revelar o valor do combustível entregue em janeiro para o Brasil.

Somando o bombeamento médio de 12,27 mmcd para a Argentina e o consumo interno de 8,45 mmcd, a comercialização de gás natural em janeiro da YPFB atingiu 52,32 mmcd.

A empresa havia planejado que o envio de gás para o Brasil neste ano chegaria a uma média de 28,0 mmcd, contra os 27,93 mmcd de 2012, enquanto o previa vender para a Argentina uma média de 13,5 mmcd, em comparação a 12,4 mmcd de 2012.

As exportações de gás para Brasil e Argentina em 2012 atingiram um valor de 5,428 bilhões de dólares, quase metade das vendas totais da pequena economia da Bolívia.

(Reportagem de Carlos A. Quiroga)