Indústria fecha 2012 com mais capacidade ociosa, diz CNI

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013 17:37 BRST
 

Por Tiago Pariz

BRASÍLIA, 6 Fev (Reuters) - A indústria fechou 2012 com maior ociosidade nas linhas de produção e com o primeiro recuo na média anual das horas trabalhadas em três anos, indicando que a recuperação mais robusta do setor ainda não veio e, em 2013, pode vir mais tarde do que se esperava.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) informou nesta quarta-feira que a utilização da capacidade instalada na indústria recuou para 80,9 por cento em dezembro, abaixo dos 81,4 por cento registrados em novembro.

Em dezembro de 2011, a utilização da capacidade instalada foi de 81,5 por cento, mas a melhora registrada em janeiro do ano passado, quando ela foi de 82,3 por cento, acabou sendo o número mais alto de 2012. A pior taxa aconteceu em junho, com 80,7 por cento.

Na média do ano, a utilização da capacidade instalada em 2012 foi 0,9 por cento menor do que em 2011.

"O ano não foi bem, com predomínio de resultados negativos. Durante o ano, houve indícios de recuperação, mas ela não foi nem na intensidade nem na frequência necessária para caracterizar uma nova tendência para a atividade industrial", afirmou o gerente-executivo de política econômica da CNI, Flávio Castelo Branco.

O mau desempenho na utilização da capacidade instalada também se refletiu nas horas trabalhadas, considerado um sinalizador do nível de atividade na indústria. O indicador teve variação positiva de 0,8 por cento em dezembro frente a novembro, mas no acumulado do ano registrou queda de 1,5 por cento sobre 2011.

O mesmo baque teve o emprego industrial. Em dezembro, houve estagnação nos postos de trabalho na comparação mensal e, no acumulado do ano, variação negativa de 0,2 por cento sobre 2011, também a primeira desde 2009.

Os indicadores da CNI corroboram as dificuldades da indústria brasileira em se recuperar. Segundo o IBGE, a produção caiu 2,7 por cento em 2012, a primeira em três anos.   Continuação...