Itaú Unibanco vê pressão nas margens como desafio--CEO

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013 13:11 BRST
 

SÃO PAULO, 6 Fev (Reuters) - Reduzir a queda nas margens é o grande desafio para a administração do Itaú Unibanco neste ano, disse o presidente-executivo Roberto Setubal nesta quarta-feira, mostrando os esforços do maior banco privado do país para manter seus níveis de rentabilidade.

A tendência para as margens líquidas com juros, ou juros com empréstimos excluindo custos de funding, para os próximos trimestres não está clara no momento, disse Setubal em teleconferência com analistas. Esse foi o mais fraco dentre uma série de itens do balanço que, no todo, trouxe resultados melhores do que o esperado por analistas.

Perguntado se achava que as margens poderiam continuar caindo neste ano, Setubal disse ser natural que elas sigam comprimidas em meio a taxas de juros nas mínimas recordes no país. Mas ele previu que uma alta da Selic possa acontecer no final deste ano.

"Garantir que as margens cresçam ou se mantenham nos atuais níveis são o grande desafio para nós agora", disse Setubal, adicionando que "seria desejável vê-la crescer um dígito".

A margem financeira com juros ajustada pelo risco caiu para a mínima de 5,8 por cento no quarto trimestre, ante 6,3 por cento do trimestre imediatamente anterior e dos 7,4 por cento de um ano antes. Alguns analistas preveem que esse índice caia para algo ao redor de 5 por cento até o final do ano.

O Itaú está apostando em disciplina na concessão de empréstimos como meio de proteger sua lucratividade, num momento em que o país entra no terceiro ano seguido de baixo crescimento econômico. Para Setubal, o único meio de evitar queda nas margens é ganhar eficiência e controlar custos.

A ação do Itaú caía 2,02 por cento às 13h08, cotada a 33,50 reais, apagando parte do ganho de 2,5 por cento da véspera. No mesmo instante, o Ibovespa cedia 1,33 por cento.

A recompra das ações da empresa de meios de pagamento Redecard, que teve o capital fechado, não terá impacto nos resultados do Itaú nos próximos trimestres, disse Setubal.

(Reportagem de Guillermo Parra-Bernal)