Italiano Monte Paschi mentiu em 2008, alegam promotores

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013 17:27 BRST
 

SIENA, Itália, 6 Fev (Reuters) - O Monte dei Paschi mentiu para o Banco da Itália sobre os termos de um instrumento híbrido chamado Fresh 2008, avaliado em cerca de 1 bilhão de euros, que usou para financiar parcialmente sua aquisição da Antonveneta, alegam promotores em um documento obtido pela Reuters nesta quarta-feira.

No documento, promotores alegam que o então vice-presidente de Finanças do Monte dei Paschi, Marco Morelli, havia assinado um documento de indenização a favor do JPMorgan que foi escondido do regulador. O JPMorgan em 2008 coordenou um aumento de capital de 1 bilhão de euros do Monte dei Paschi, e então estruturou o instrumento híbrido Fresh 2008, que pode ser convertido em ações do grupo, e vendeu-o para investidores.

O JPMorgan de Milão recusou-se a comentar.

Promotores alegam no documento que Morelli também entregou uma chamada carta-anexa de indenização para o Bank of New York, que agiu como intermediário no acordo Fresh 2008, "na época de uma reunião dos investidores do Fresh", que segundo promotores, também foi escondida do regulador.

Promotores alegam que a carta-anexa de indenização viola exigências estabelecidas pelo Bank of Italy ao fazer com que o Fresh 2008 funcione como um bônus em vez de um instrumento híbrido acionário.

(Reportagem de Silvia Ognibebe)