DIs disparam e sugerem alta da Selic este ano

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013 17:24 BRST
 

Por Natalia Cacioli

SÃO PAULO, 7 Fev (Reuters) - Os contratos de juros futuros encerraram em forte alta nesta quinta-feira, refletindo declarações do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, que sinalizaram a possibilidade de que a Selic seja elevada em meados deste ano caso a inflação continue persistente.

A curva de juros já precifica um aumento da taxa básica de juros da ordem de 0,50 ponto percentual a partir de agosto, apesar de a maior parte dos economistas ainda prever manutenção da política monetária ao longo do ano.

Até o final de 2013, a Selic poderia subir 1 ponto percentual em relação à atual mínima histórica de 7,25 por cento, segundo apostas embutidas no mercado de juros.

"O BC mudou o discurso. Ele está explicitando uma preocupação maior com a inflação, o que pode antecipar o início do aperto monetário", afirmou o sócio-gestor da Leme Investimentos, Paulo Petrassi.

Às 16h30, o DI para janeiro de 2014 era negociado a 7,44 por cento, ante 7,35 por cento no ajuste anterior, enquanto o contrato para janeiro de 2015 registrava 8,19 por cento, frente a 8,09 por cento anteriormente.

O contrato para janeiro de 2017 era negociado a 9,09 por cento, contra 9,02 por cento no ajuste anterior.

Os juros futuros abriram em alta nesta quinta-feira após a divulgação dos dados da inflação oficial do país, que acelerou para 0,86 por cento em janeiro, após o avanço de 0,79 por cento em dezembro. Em 12 meses, a alta acumulada é de 6,15 por cento -- próxima ao teto da meta do governo, de 6,5 por cento.

O movimento se acentuou depois que o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, afirmou em entrevista à jornalista Miriam Leitão que "a inflação nos preocupa no curto prazo" e que o BC está atento aos índices de preços para decidir uma possível alteração na política monetária.   Continuação...