CEO da Finmeccanica é preso por acusações de suborno Índia

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013 13:27 BRST
 

Por Emilio Parodi e Stephen Jewkes

MILÃO, 12 Fev (Reuters) - A polícia italiana prendeu o principal executivo do grupo de defesa Finmeccanica nesta terça-feira por denúncias de suborno, no último de uma série de escândalos corporativos sacudindo a Itália menos de duas semanas antes de uma eleição geral.

O presidente-executivo e chairman da Finmeccanica, Giuseppe Orsi, foi preso por supostos subornos para garantir a venda de 12 helicópteros para a Índia, quando ele era chefe da unidade do grupo AgustaWestland, disse uma fonte judicial com conhecimento direto da situação à Reuters.

A polícia cumpriu mandatos de busca e apreensão na casa de Orsi e nos escritórios da AgustaWestland perto de Milão, disse uma fonte próxima ao advogado de Orsi. Os escritórios em Milão da estatal Finmeccanica, segunda maior empregadora da Itália depois da Fiat, também foram alvo da operação, disse a fonte judicial.

Um fonte no Ministério da Defesa da Índia disse que propinas de 40 milhões de rúpias alegadamente pagas a funcionários indianos para contratos firmados com a Finmeccanica são alvo de investigação, e que Nova Délhi está considerando cancelar a compra dos helicópteros no valor de 560 milhões de euros (749,2 milhões de dólares).

O mundo dos negócios italiano foi abalado nas últimas semanas por uma série de casos de corrupção, notadamente um escândalo envolvendo o Banca Monte dei Paschi, terceiro maior banco do país, e uma investigação sobre suposto suborno de contratos na Argélia que atingiu a petroleira Eni e a empresa de serviços de óleo e gás Saipem, que tem a Eni como sócia.

Ressaltando a sensibilidade política do caso Finmeccanica antes das eleições nacionais em 24 e 25 de fevereiro, o primeiro-ministro italiano, Mario Monti, disse que o governo irá lidar com questões envolvendo a gestão da empresa.

"Há um problema com a governança da Finmeccanica no momento e vamos enfrentá-lo", disse Monti à televisão estatal RAI.

Orsi, um executivo de longa data da indústria de defesa, sempre negou qualquer irregularidade em relação à investigação de corrupção, que já se arrasta por um ano.

Em um breve comunicado, a Finmeccanica manifestou o seu apoio a Orsi e disse que espera que sua posição possa ser esclarecida o mais rapidamente possível. Os negócios da companhia continuam funcionando normalmente, acrescentou a empresa.

A diretoria da Finmeccanica pode ampliar os poderes do vice-presidente financeiro, Alessandro Pansa, para ajudar a gerenciar a companhia, disseram fontes próximas ao assunto.