14 de Fevereiro de 2013 / às 12:12 / 5 anos atrás

Presidente do BC do Japão defende ação antes de reunião do G20

Presidente do Banco do Japão, Masaaki Shirakawa, fala durante coletiva de imprensa em Tóquio, Japão. Shirakawa defendeu a política monetária agressiva do banco central dizendo que ela destina-se a revitalizar a economia e não a enfraquecer o iene, em um momento em que o país sofre críticas internacionais antes de uma reunião do G20. 14/02/2013Yuya Shino

Por Leika Kihara e Kaori Kaneko

TÓQUIO, 14 Fev (Reuters) - O presidente do Banco do Japão, Masaaki Shirakawa, defendeu a política monetária agressiva do banco central dizendo que ela destina-se a revitalizar a economia e não a enfraquecer o iene, em um momento em que o país sofre críticas internacionais antes de uma reunião do G20.

Os comentários foram feitos após dados mostrarem que a economia do Japão encolheu inesperadamente no quarto trimestre, não conseguindo escapar de uma recessão moderada e dando argumentos para um governo que tem pressionado por medidas de estímulo mais radicais que podem causar o enfraquecimento mais forte da moeda.

Shirakawa disse que iria deixar isso claro para o G20 na reunião do fim de semana na Rússia, onde o Japão pode enfrentar alguns países descontentes com recente desvalorização iene.

"O BC está conduzindo a política monetária para alcançar a estabilidade na economia japonesa. Ele continuará a fazê-lo e eu vou explicar isso para as nações do G20", disse Shirakawa em coletiva de imprensa, horas antes de viajar para Moscou.

As expectativas de que o primeiro-ministro, Shinzo Abe, vai manter a pressão em cima do BC por medidas mais ousadas para vencer a deflação têm impulsionado a queda do iene, que perdeu quase 20 por cento do valor em relação ao dólar desde novembro.

Essa desvalorização ofereceu algum alívio para a economia japonesa dependente das exportações, que encolheu 0,1 por cento no quarto trimestre, mas dá alguns sinais de uma melhora no ambiente, graças à maior demanda global e do efeito do estímulo da política monetária.

O BC adotou um tom mais positivo sobre a economia ao mesmo tempo em que manteve sua política monetária inalterada, depois de ter elevado o estímulo monetário e dobrado sua meta de inflação a 2 por cento há um mês.

O rápido declínio do iene, entretanto, provocou um debate internacional sobre se o Japão estava efetivamente usando a impressão de dinheiro para desvalorizar o iene.

A terceira maior economia do mundo contraiu 0,1 por cento entre outubro e dezembro, no terceiro trimestre seguido de declínio, ante previsão de economistas de uma expansão de 0,1 por cento.

Mas pesquisas recentes de confiança e indicadores antecedentes, como encomendas de maquinários, indicam uma recuperação gradual nos próximos meses.

"Há uma grande chance de a economia voltar a crescer entre janeiro e março. A economia da China está acelerando e os Estados Unidos também estão firmes", disse Yuichi Kodama, economista-chefe da Meiji Yasuda Life Insurance.

Como esperado, o banco central manteve sua taxa de juros entre zero e 0,1 por cento por unanimidade, e evitou ampliar seu programa de compras de ativo e empréstimos.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below