15 de Fevereiro de 2013 / às 22:03 / em 5 anos

Atividade econômica argentina fica abaixo do esperado em dezembro

Por Juliana Castilla e Maximiliano Rizzi

BUENOS AIRES, 15 Fev (Reuters) - A atividade econômica da Argentina perdeu força em dezembro, avançando 1,1 por cento em relação ao mesmo mês do ano anterior, e fechou o ano com crescimento de 1,9 por cento, o segundo pior desempenho em uma década, mostraram dados do governo nesta sexta-feira.

A prolongada expansão da terceira maior economia da América Latina estancou em 2012 devido à fraca demanda global, à alta inflação, ao impacto de uma seca sobre a colheita de grãos e ao efeito de controles do governo sobre câmbio no investimento.

Uma pesquisa da Reuters com 12 analistas mostrou que a previsão média para o crescimento em dezembro era de 1,5 por cento, com estimativas compreendidas entre uma queda de 0,7 por cento e uma alta de 2,3 por cento no crescimento.

Em relação a novembro, o índice de atividade econômica EMAE, uma espécie de medidor do Produto Interno Bruto (PIB), subiu 0,4 por cento, mesma taxa registrada em novembro ante outubro.

A presidente Cristina Kirchner anunciou o dado sobre crescimento em 2012 mais cedo nesta semana, citando a resiliência argentina à crise econômica global.

Mas a precisão dos dados do país sobre crescimento e inflação estão sob fogo cerrado, com o país sujeito a possíveis sanções por parte do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Alguns analistas privados dizem que a economia encolheu no ano passado. Em seu próprio indicador de atividade econômica, a empresa de consultoria Orlando J. Ferreres & Associados anunciou declínio de 0,3 por cento em 2012, um número respaldado pelo Citigroup.

Membros do governo e analistas concordam que as perspectivas para a economia em 2013 são melhores, mas taxas de crescimento de 9 por cento ao ano, como as registradas depois da crise de 2001-02, provavelmente não voltarão.

INFLAÇÃO EM JANEIRO

O governo também divulgou nesta sexta-feira um relatório mostrando que a inflação ao consumidor chegou a 1,1 por cento em janeiro, maior leitura oficial desde fevereiro de 2010.

Os dados do governo têm sido amplamente contestados. Economistas privados acreditam que a inflação real no mês passado chegou a 2,1 por cento, de acordo com a mediana das estimativas de seis analistas ouvidos pela Reuters.

No acumulado em 12 meses até janeiro, a inflação oficial anunciada foi de 11,1 por cento, comparada com a estimativa de analistas de cerca de 25 por cento.

“Nós esperamos que a inflação não-oficial acelere para 30 por cento em 2013, após oscilar em torno de 25 por cento ao longo dos últimos três anos”, avaliou o Citigroup em relatório mais cedo nesta sexta-feira.

Reportagem adicional de Hilary Burke

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below