Merkel renova pedido por taxa global de transações financeiras

sábado, 16 de fevereiro de 2013 13:14 BRST
 

BERLIM, 16 de Fev (Reuters) - A chanceler alemã Angela Merkel renovou neste sábado, durante a sua transmissão semanal de vídeo, seus pedidos para a implementação de uma taxa mundial de transações financeiras, citando que ela será introduzida em parte da União Europeia no próximo ano.

Merkel, que tentará o terceiro mandato na eleição de 22 de setembro, afirmou que a taxa de transações financeiras em 11 países da UE será apenas o início. Ela também disse que a Alemanha está liderando a região em muitas áreas da regulação do mercado.

"Certamente este é apenas o início e seria melhor se todos os países (da UE) estivessem participando", afirmou Merkel sobre a taxa. Ela disse que o governo alemão está trabalhando duro para preparar os detalhes da medida.

"Naturalmente, é importante que não apenas a Europa esteja tomando atitudes, mas que todas as partes do mundo estejam sujeitas a tais regulações do mercado financeiro", concluiu a líder alemã.

Merkel tem colocado os assuntos financeiros como prioridade em sua campanha pela reeleição.

A Comissão Europeia, braço executivo da União Europeia, propôs uma taxa a partir de janeiro de 2014 sobre transações financeiras em 11 países: Bélgica, Alemanha, Estônia, Grécia, Espanha, França, Itália, Áustria, Portugal, Eslovênia e Eslováquia. Espera-se que a medida arrecade de 30 a 35 bilhões de euros por ano.

O imposto foi fixado em 0,1 por cento para ações e títulos públicos, instrumentos do mercado monetário, acordos de recompra e de seguridades, enquanto a taxa será de 0,01 por cento sobre derivativos. Ele seria pago por cada instituição financeira envolvida na transação.

(Reportagem de Erik Kirschbaum)

 
Escultura do euro em frente à sede do Banco Central Europeu (BCE) em Frankfurt, Alemanha. A chanceler alemã Angela Merkel renovou neste sábado, durante a sua transmissão semanal de vídeo, seus pedidos para a implementação de uma taxa mundial de transações financeiras, citando que ela será introduzida em parte da União Europeia no próximo ano. 6/11/2012 REUTERS/Lisi Niesner