21 de Fevereiro de 2013 / às 23:05 / 4 anos atrás

ENTREVISTA-Correa promete estabilidade a investidor privado no Equador

Por Alexandra Valencia e Eduardo Garcia

QUITO, 21 Fev (Reuters) - O Equador garante hoje regras claras e estabilidade aos investidores privados, disse nesta quinta-feira o presidente reeleito do Equador, Rafael Correa, numa entrevista em que também abriu a possibilidade de que o país volte aos mercados globais de capital, caso seja necessário.

Correa inicia em maio seu segundo mandato, após cinco agitados anos em que o país declarou moratória de parte da sua dívida privada e renegociou multimilionários contratos petrolíferos, pelos quais as empresas que exploravam o produto passaram a ser meras operadoras de um negócio estatal.

Mas o economista de 49 anos diz que agora as coisas vão se acalmar no menor país da Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep).

"Estão dadas todas as coisas, e não haverá grandes mudanças nem sequer em nível tributário ... então que seja bem-vindo esse investimento privado", disse o popular mandatário em entrevista à Reuters.

"Completamos 100 por cento dessa recuperação da soberania, renegociamos a dívida, renegociamos os contratos petroleiros, está aí a nova Constituição, está aí o novo código da produção, as regras de jogo claras, e agora só esperamos que continue vindo esse investimento."

O presidente acha que setores estratégicos, como o minerador, serão uma importante fonte de divisas nos próximos anos e que isso lhe permitirá manter seus programas de ajuda social, base do seu grande apoio popular.

"Os setores estratégicos são o grande desafio para melhorar a economia e sustentar políticas sociais", disse o carismático governante socialista, que admitiu estar cansado, mas feliz, depois da sua segunda reeleição, no domingo, com quase 60 por cento dos votos.

Ele também afirmou que o Equador poderá voltar a emitir títulos de dívida nos mercados internacionais e assegurou que algumas praças financeiras "abrem os braços" ao país.

Após declarar uma moratória de 3,2 bilhões de dólares em sua dívida externa, o país andino se mantém afastado dos mercados de capitais. Ainda circulam cerca de 650 milhões de dólares em bônus globais com vencimento em 2015.

Segundo o índice EMBI+, do JPMorgan, que mede a sobretaxa dos bônus locais frente aos títulos de referência do Tesouro norte-americano, o Equador precisaria, para conseguir crédito, pagar 700 pontos-base acima dos rendimentos dos bônus dos Estados Unidos.

Correa comentou sobre a saúde do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, dizendo que o mandatário enfrenta um tratamento médico "bastante duro" contra o câncer.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below