Tesouro pode cobrir custo de uso das térmicas, dizem fontes

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013 18:49 BRT
 

Por Leonardo Goy e Tiago Pariz

BRASÍLIA, 22 Fev (Reuters) - O Tesouro Nacional poderá cobrir o impacto financeiro do custo adicional da energia das termelétricas, garantindo que essas despesas não cheguem às tarifas dos consumidores e à inflação, disseram à Reuters duas fontes do governo a par do assunto.

O uso do Tesouro também anularia o comprometimento do fluxo de caixa das distribuidoras de energia, que pagam pela geração termelétrica e são ressarcidas apenas depois, na ocasião do reajuste anual tarifário.

A Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee) estima que a conta pelo uso das térmicas de outubro passado a janeiro deste ano já totalizou cerca de 4 bilhões de reais --sendo 1,5 bilhão de reais apenas no mês passado.

Quase a totalidade da capacidade de geração térmica de energia no Brasil está sendo usada diante do baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas.

Segundo uma das fontes, o custo das térmicas será pago com recursos da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) --antigo tributo que passou recentemente a ser uma espécie de encargo único para todos os subsídios ao setor. O Tesouro pode ter que emitir títulos da dívida pública para injetar na CDE.

A opção por utilizar recursos públicos ocorre num momento em que a escalada dos preços preocupa.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) surpreendeu em fevereiro ao registrar alta acima do esperado, ainda pressionado por alimentos. No acumulado em 12 meses, o IPCA-15 --que pode ser considerado uma prévia do IPCA, índice oficial de inflação-- subiu 6,18 por cento.

A meta de inflação do governo é de 4,5 por cento ao ano, com tolerância de dois pontos percentuais para cima ou para baixo.   Continuação...