Mercado reduz projeções para inflação e dólar em 2013, eleva PIB

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013 12:13 BRT
 

Por Camila Moreira

SÃO PAULO, 25 Fev (Reuters) - O mercado deu continuidade aos ajustes de suas projeções para este ano ao reduzir a perspectiva de inflação e dólar e elevar a de expansão da economia, mantendo a estimativa da Selic em 7,25 por cento neste ano, de acordo com pesquisa Focus do Banco Central divulgada nesta segunda-feira.

Os analistas consultados veem a inflação agora encerrando o ano a 5,69 por cento, ante 5,70 por cento anteriormente, na segunda semana seguida de redução. Para 2014, a projeção para o IPCA foi mantida em 5,50 por cento.

A inflação mantém o sinal de alerta no mercado, alimentando debates sobre a possibilidade de a Selic ser elevada ainda no primeiro semestre.

Na sexta-feira esse cenário foi corroborado pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial. Embora tenha apresentado desaceleração da alta, o resultado ficou acima do esperado ao subir 0,68 por cento em fevereiro.

A pesquisa Focus mostrou também que o mercado ainda mantém a perspectiva de que a Selic ficará nos atuais 7,25 por cento neste ano, subindo a 8,25 por cento em 2014, projeção também inalterada.

Mas a dificuldade de a inflação mostrar arrefecimento como esperado fez o mercado futuro de juros precificar probabilidade superior a 50 por cento de uma alta de 0,25 ponto percentual já na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, em março. Para o encontro de maio, a chance para um acréscimo de 0,50 ponto percentual chegou a 100 por cento.

Entre o Top 5 --instituições que mais acertam as projeções-- a expectativa também é de manutenção da Selic em 7,25 por cento este ano, indo a 7,63 por cento em 2014. Para o IPCA a projeção é de alta de 5,56 por cento este ano ante 5,70 por cento na semana anterior, e de avanço de 6,50 por cento em 2014.

Na quinta-feira, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que a inflação no Brasil está sob controle e deverá fechar 2013 em torno de 5,5 por cento, citando projeções de mercado.   Continuação...