Governo do Japão indica Kuroda para presidência do BC

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013 09:40 BRT
 

TÓQUIO, 28 Fev (Reuters) - O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, indicou um defensor de políticas agressivas para chefiar o banco central do Japão, Haruhiko Kuroda, desafiando a oposição a apoiar sua busca por ações radicais conforme autoridades alertam que uma nascente retomada econômica pode facilmente ser afetada.

Ao escolher Kuroda, presidente do Banco de Desenvolvimento Asiático, para assumir o BC, Abe busca cumprir uma promessa de campanha de reformar a política monetária para reanimar a economia após quase duas décadas de deflação e fraco crescimento.

"O novo BC precisa acelerar o ritmo de acumulação de ativos e estender os vencimentos da dívida do governo que está comprando", afirmou o economista-chefe para o Japão do Bank of America Merrill Lynch, Masayuki Kichikawa.

"Ao fortalecer o afrouxamento monetário, o BC será capaz de estabilizar a taxa de câmbio do iene. Então nós começaremos a ver algum impacto positivo sobre os preços ao consumidor a partir do ano que vem."

O acadêmico Kikuo Iwata, que defende uma política monetária não convencional, e o membro do BC Hiroshi Nakaso, com conhecimento do trabalho interno do BC, foram indicados como vice-presidentes nesta quinta-feira.

Abe já teve sucesso com mudanças no banco central, que no mês passado dobrou sua meta de inflação para 2 por cento e concordou com um programa de compra de ativos ilimitado a partir de 2014, e a expectativa é de que a nova liderança pressione por ações ainda mais agressivas.

As indicações não foram surpresa para os investidores, uma vez que já se falava sobre esses nomes, e houve pouca reação do mercado.

Os três agora precisam ser aprovados por ambas as casas do Parlamento, que vão avaliá-los nos próximos dias. Abe não tem maioria no Senado, e precisa do apoio da oposição para que seus escolhidos assumam o cargo no próximo mês.

Parlamentares japoneses concordaram nesta quinta-feira em realizar a audiência de confirmação à indicação do presidente do banco central no dia 4 de março, informou o Jiji News.   Continuação...