Petróleo tem maior declínio desde novembro com plano do Fed

quinta-feira, 20 de junho de 2013 17:39 BRT
 

Por Anna Louie Sussman e Matthew Robinson

NOVA YORK, 20 Jun (Reuters) - Os futuros do petróleo Brent perderam 4 dólares nesta quinta-feira, em seu maior declínio diário desde novembro, como parte de turbulência generalizada nos mercados financeiros desencadeada pelo plano do chairman do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, de reduzir seu estímulo monetário.

Os preços do petróleo dos EUA foram alvo de pressão durante toda a sessão, arcando com mais sentimento negativo após a China apertar o crédito mesmo com a atividade manufatureira na segunda maior consumidora de petróleo do mundo atingindo a mínima em nove meses.

Os preços do ouro atingiram o menor nível em 2 anos e meio, na pior queda dos preços de commodities em um ano e meio, e o S&P 500 recuou mais de 2 por cento nesta quinta-feira, com os mercados temendo a redução do estímulo monetário que os amparou após declarações do chairman do Fed, Ben Bernanke.

Contra um pano de fundo de ampla oferta física de petróleo, analistas afirmaram que há pouco suporte imediato para conter a queda da commodity.

O petróleo Brent perdeu 3,97 dólares, ou 3,74 por cento, para fechar a 102,15 dólares o barril. As perdas ganharam força após o fechamento, para quase 4 por cento, à medida que as bolsas de valores continuaram a recuar.

O futuro de petróleo dos EUA para julho, que venceu nesta quinta-feira, perdeu 2,84 dólares e ficou em 95,40 dólares, maior declínio diário desde novembro. O contrato para agosto, mais negociado, também registrou fortes perdas, caindo 3,34 dólares para 95,14 dólares o barril.