Alta do dólar anula reajuste da Petrobras; importação fica mais cara

sexta-feira, 21 de junho de 2013 19:32 BRT
 

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO, 21 Jun (Reuters) - A disparada do dólar neutralizou os reajustes de combustíveis realizados pela Petrobras neste ano, à medida em que as importações ficam mais caras, o que pode colaborar para aumentar os problemas da área de Abastecimento da estatal, segundo especialistas.

A defasagem atual entre preços domésticos de combustíveis e os internacionais está maior em relação à verificada imediatamente após o último aumento do diesel, informou o Centro Brasileiro de Infraestrutura (Cbie) nesta sexta-feira.

Apesar da queda recente dos preços de petróleo e derivados no mercado internacional, gasolina e diesel estão 20 e 16,6 por cento mais baratos nas refinarias do Brasil em relação aos valores praticados no mercado norte-americano, calculou o Cbie.

Logo após o último reajuste, no começo de março, a diferença entre o valor da gasolina e do diesel --entre o Brasil e os EUA-- era de 16,5 e 14 por cento, respectivamente, segundo a mesma consultoria.

O diesel foi reajustado duas vezes este ano --com altas de 6,6 por cento em janeiro e 5 por cento em março--, enquanto a gasolina teve uma alta de 5,4 por cento janeiro.

"Os reajustes já foram anulados pela alta do dólar", afirmou o sócio-diretor do Cbie, Adriano Pires.

A cotação do dólar ante o real subiu 4,7 por cento em junho e acumula alta de cerca de 10 por cento no segundo trimestre.

No primeiro trimestre do ano, o prejuízo na área de abastecimento havia caído 7 por cento na comparação com o mesmo período do ano passado, com os reajustes dos combustíveis dando colaboração importante para a redução das perdas, que ainda foram de mais de 4 bilhões de reais nos primeiros três meses de 2013.

Com a anulação do efeito positivo do reajuste, essa situação pode mudar nos próximos meses.   Continuação...