Ministros da Turquia e da Alemanha discutem sobre entrada na União Europeia

sábado, 22 de junho de 2013 11:43 BRT
 

DOHA, 22 Jun (Reuters) - Ministros de Relações Exteriores da Alemanha e da Turquia se reuniram no sábado para uma "intensa troca de opiniões" sobre a crítica de Angela Merkel de que existe repressão contra manifestantes na Turquia e sua relutância em ver o país aderir à União Europeia.

Alemanha e Turquia, convocaram na sexta-feira os embaixadores após Merkel dizer que estava "chocada" com a resposta de Ancara aos protestos, e um ministro turco acusou-a de bloquear a adesão da Turquia à União Europeia, porque ela estaria "procurando material político interno para suas eleições".

Salvo uma mudança de última hora pela Alemanha, a UE espera definir no início da próxima semana se vai adiar ou cancelar os planos para abrir um novo "capítulo" nas negociações de adesão da Turquia.

Tal movimento poderia lançar dúvidas sobre o futuro das negociações de longa duração da Turquia para aderir à UE e um alto funcionário turco disse que iria desenhar uma "forte reação" de Ancara.

O Ministério das Relações Exteriores da Alemanha disse no sábado que Guido Westerwelle se reuniu com o turco Ahmet Davutoglu, em Doha, no Catar, sobre a guerra na Síria.

"As negociações ocorreram em uma atmosfera construtiva e amigável", disse o ministério. "Ambos os ministros tiveram uma intensa troca de opiniões, no espírito de parceiros e amigos sobre questões pendentes, também as questões reais das relações entre a UE e a Turquia e as relações bilaterais".

Em Ancara, o embaixador alemão Eberhard Pohl se reuniu no sábado, no Ministério das Relações Exteriores, com o subsecretário Feridun Sinirlioglu, disse um funcionário do ministério.

Muitos países da UE apoiam a abertura de mais negociações com a Turquia na próxima semana, em seu longo caminho para a adesão. Eles argumentam que a economia de rápido crescimento da Turquia, a população jovem e influência diplomática irão reforçar a UE.

Depois que a tensão entre Berlim e Ancara aumentou nesta semana, o chanceler italiano, Emma Bonino, disse que não era o momento de fechar a porta à Turquia, mas não fez referência direta à Alemanha.   Continuação...