Depois de abertura no Japão, indústria de suínos mira na Coreia do Sul

segunda-feira, 24 de junho de 2013 11:17 BRT
 

SÃO PAULO, 24 Jun (Reuters) - A recente abertura do mercado japonês à carne suína do Brasil pode facilitar o acesso à Coreia do Sul, segundo maior importador do produto, avalia a Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs).

Em maio, o Japão --maior importador global de carne suína-- incluiu Santa Catarina como região habilitada para exportações, abrindo seu mercado ao produto in natura.

"A abertura do mercado japonês é a mais importante, pois se trata do maior importador mundial e servirá de alavanca para abrirmos o segundo principal importador, a Coreia do Sul", disse o presidente da Abipecs, Rui Eduardo Saldanha Vargas, que participa ao longo desta semana de reuniões em Tóquio para discutir a abertura do mercado japonês.

O Japão importa em média 1,2 milhão de toneladas anuais de carne suína, enquanto que a Coreia do Sul compra aproximadamente 700 mil toneladas por ano.

Recentemente, a Ucrânia também reabriu o mercado para a carne suína brasileira, o que deve "reaquecer as expectativas do mercado para 2013", segundo Vargas.

A Ucrânia havia suspendido as importações do produto brasileiro em março, alegando a presença de uma bactéria, afetando as exportações brasileiras nos últimos meses.

(Por Laiz de Souza)