Principais commodities agrícolas do Brasil terão queda em dólar--analista

segunda-feira, 24 de junho de 2013 16:37 BRT
 

SÃO PAULO, 24 Jun (Reuters) - Os preços das principais commodities agrícolas do Brasil fecharão 2013 em queda nos mercados internacionais, sob pressão da fraca economia global, do aumento dos estoques por grandes safras e também pela valorização do dólar no exterior, afirmou nesta segunda-feira a consultoria GO Associados em relatório mensal.

"Para os próximos meses, espera-se que os preços das matérias-primas continuem sob pressão baixista", afirmou a consultoria, citando ainda a recessão europeia, desaceleração chinesa e crescimento ainda modesto da economia americana.

No caso da soja, milho, café e açúcar, que estão entre as principais commodities agrícolas exportadas pelo Brasil, grandes safras adicionarão pressão sobre os preços.

Com o dólar valorizado no mundo, devido à sinalização do Federal Reserve, banco central do EUA, de menores estímulos para a economia do país, as commodities negociadas na moeda norte-americana em bolsas também tendem a apresentar movimentos de queda.

O Fed pretende diminuir gradualmente seu programa de estímulos, que havia elevado a liquidez do mercado e ajudado as commodities a atingir níveis recordes.

Um real desvalorizado frente ao dólar, no entanto, tende a aliviar, para os exportadores brasileiros, a queda dos preços das commodities na moeda norte-americana.

"Em termos líquidos, é favorável essa desvalorização cambial", disse recentemente à Reuters o analista Fábio Silveira, da GO Associados.

SOJA

Nos próximos meses, espera-se que o preço da soja na bolsa de Chicago fique abaixo de 15 dólares por bushel, com as perspectivas de aumento da safra sul-americana em 2013/14, com um novo recorde de produção no Brasil, além de um crescimento da colheita dos EUA.   Continuação...