Suprema Corte dos EUA rejeita ação contra mais etanol no combustível

segunda-feira, 24 de junho de 2013 17:37 BRT
 

WASHINGTON, 24 Jun (Reuters) - A Suprema Corte dos EUA rejeitou uma ação de entidades dos setores de petróleo e alimentos contra a venda de um combustível com maior mistura de etanol autorizada pela Agência de Proteção Ambiental (EPA).

Os usineiros dos EUA, que produzem etanol principalmente a partir do milho, defendem a adoção do combustível E15, com 15 por cento de etanol, em detrimento da mistura tradicional, com 10 por cento.

Eles comemoraram quando em 2011 a EPA ampliou o uso do E15 para carros a partir do modelo 2001, o que atualmente abrange dois terços dos carros que circulam nos EUA.

Mas a decisão da EPA irritou o Instituto Americano do Petróleo, a associação dos fabricantes de alimentos e outros grupos setoriais, que recorreram à Suprema Corte para tentar reverter uma decisão judicial de instância inferior em prol do combustível com maior teor de etanol.

Os produtores de gasolina rejeitam a medida porque o etanol reduz seus lucros, ao passo que as indústrias alimentícias consideram que o maior uso do álcool combustível acaba por pressionar o preço dos grãos e carnes.

Segundo eles, a expansão do etanol já levou o milho a alcançar uma cotação recorde durante a seca do ano passado, a pior em mais de 50 anos.

Durante a seca, oponentes do etanol solicitaram sem sucesso à EPA para que suspendesse temporariamente a medida.

A decisão de segunda-feira frustrou o setor das refinarias, que se queixava também de que o E15 pode danificar os motores de barcos, equipamentos externos e carros mais antigos.

A decisão da Suprema Corte nega aos solicitantes sua chance de argumentar em juízo, e terá repercussões negativas para os consumidores”, disse Charles Drevna, presidente da entidade setorial dos fabricantes de combustíveis e petroquímicos.   Continuação...