Dívida mobiliária federal interna cai 0,6% em maio VS abril--Tesouro

segunda-feira, 24 de junho de 2013 17:44 BRT
 

BRASÍLIA, 24 Jun (Reuters) - A dívida pública mobiliária federal interna caiu 0,6 por cento em maio frente a abril, para 1,84 trilhão de reais, informou o Tesouro Nacional nesta segunda-feira.

A redução no estoque ocorreu devido ao resgate líquido de títulos públicos federais de 27,84 bilhões de reais, que foi parcialmente compensado pela apropriação de juros, no montante de 16,66 bilhões de reais.

O Tesouro anunciou ainda que o estoque da dívida pública federal, incluindo a dívida externa, recuou 0,26 por cento em maio, para 1,935 trilhão de reais.

Em maio, a parcela prefixada da dívida pública em relação ao estoque total aumentou para 39,16 por cento, ante 37,85 por cento em abril. A meta do Tesouro é fazer com esse percentual fique entre 41 e 45 por cento da dívida até o fim de 2013.

A parte dos títulos corrigida por indicadores de inflação somou 34,62 por cento em maio, menor que os 36,75 por cento em abril. A programação do Tesouro é que essa parcela fique entre 34 e 37 por cento no encerramento de 2013.

Já os papéis da dívida atrelados aos juros básicos subiram em maio para 21,45 por cento do total do estoque, ante 20,99 por cento em abril. O objetivo do Tesouro é fazer com que esse percentual baixe para entre 19 e 14 por cento do total do estoque até dezembro.

Em maio, os investidores estrangeiros reduziram sua participação no total da dívida para 14,38 por cento (264,69 bilhões de reais), ante 14,55 por cento (269,44 bilhões de reais) em abril.

No início de junho, o governo reduziu a zero a alíquota de 6 por cento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) nas aplicações em renda fixa, tentando amenizar a forte volatilidade da moeda norte-americana.

O relatório mostrou ainda que a dívida pública federal externa aumentou 6,85 por cento, encerrando maio em 94,59 bilhões de reais. No mês passado, as operações com a dívida externa foram marcadas pela primeira emissão soberana feita pelo governo em 8 meses, por meio da reabertura do bônus Global 2023, que gerou uma captação de 800 milhões de dólares.

O Tesouro indicou que continuará fazendo ofertas extras de títulos enquanto a turbulência provocada por incertezas na economia dos EUA continuar afetando os preços dos papéis da dívida brasileira. (Reportagem de Luciana Otoni; Edição de Aluísio Alves)