Bovespa volta a cair forte com cenário de aversão ao risco

segunda-feira, 24 de junho de 2013 18:24 BRT
 

Por Danielle Assalve

SÃO PAULO, 24 Jun (Reuters) - O principal índice da Bovespa voltou a cair forte e com volume acima da média nesta segunda-feira, diante de um movimento global de fuga para ativos considerados mais seguros, além de preocupações com o risco de intervenção de governos nas companhias que têm preços regulados.

O Ibovespa reduziu as perdas à tarde, acompanhando Wall Street, mas fechou em baixa de 2,32 por cento, a 45.965 pontos. Na mínima, o índice caiu 3,5 por cento. O giro financeiro do pregão foi de 9,1 bilhões de reais, ante média diária de 7,9 bilhões de reais em 2013.

"É um movimento de aversão total, estamos vendo uma fuga de capital do Brasil, todo mundo procurando ir para um lugar mais seguro", disse o analista de investimentos João Luiz Piccioni, da Petra Asset em São Paulo.

Investidores seguiam preocupados com a perspectiva de menos estímulos monetários nos Estados Unidos ainda neste ano, provocando uma migração de recursos de mercados emergentes para ativos considerados mais seguros.

Pesquisa do Societé Générale divulgada nesta segunda-feira apontou para "colapso" do sentimento de investidores com relação a emergentes. "O sentimento de risco teve forte deterioração e agora aponta para um viés fortemente de baixa", escreveu Benoît Anne, chefe de estratégia para mercados emergentes.

Preocupações com possível redução da liquidez do sistema financeiro chinês e seus impactos para o ritmo de atividade na segunda maior economia do mundo também pesava nas ações, com destaque para a mineradora Vale, que tem na China seu principal mercado, cuja ação afundou mais de 5 por cento.

A cena local também não ajudava no ambiente de negócios, diante da percepção de maior intervenção de governos nas empresas que têm preço administrado. Os papéis de concessionárias de rodovias recuaram na sessão, depois que o governo de São Paulo cancelou o reajuste dos pedágios das rodovias estaduais neste ano.

A estatal paranaense de energia Copel inverteu o sinal à tarde e conseguiu fechar no campo positivo, após ter caído 6,1 por cento na mínima intradiária. A Aneel, órgão regulador do setor elétrico, atendeu o pedido da companhia e suspendeu o aumento do tarifa que entraria em vigor nesta segunda-feira.

A decisão ocorreu após o governador do Paraná, Beto Richa, afirmar no fim da semana passada que falaria com a diretoria da Copel para suspender o aumento médio de 14,61 por cento nas tarifas de energia aplicada pela companhia.