Eike coloca à venda ativos de carvão e de ouro, além da MMX--fonte

terça-feira, 25 de junho de 2013 19:14 BRT
 

Por Sabrina Lorenzi

RIO DE JANEIRO, 25 Jun (Reuters) - O empresário Eike Batista tenta vender ativos de carvão da CCX e de ouro da AUX, além de participação na produtora de minério de ferro MMX, em meio à limitação de caixa para executar projetos que requerem grandes cifras.

O banco de investimento BTG Pactual está envolvido nas tratativas para vender os ativos de ouro e carvão na Colômbia, apoiado por especialistas estrangeiros, afirmou à Reuters nesta terça-feira uma fonte ligada ao Grupo EBX, holding de Eike.

As ações da CCX na Bovespa aceleraram a alta após a notícia da Reuters, encerrando a sessão com valorização de 12,05 por cento, na máxima do dia.

Procurada, a EBX afirmou que as empresas não vão comentar o assunto. Na véspera, a MMX informou em comunicado ao mercado que avalia "oportunidades de negócios".

O próprio Eike chegou a comentar em meados do ano passado que fundos de pensão da Colômbia estavam interessados nas suas reservas de carvão. Na ocasião, o empresário estudava a venda de 30 por cento da sua companhia de carvão, avaliada então por ele em 4 bilhões de dólares.

Segundo a fonte ouvida pela Reuters, as condições de dificuldade do grupo poderão levar à venda do controle ou à totalidade dos seus ativos de carvão e de ouro, e não apenas uma parte deles como previa o executivo anteriormente.

A CCX é resultado de uma cisão da MPX, a empresa de energia do grupo de Eike Batista, e detém significativas reservas de carvão já certificadas.

O projeto inicial da CCX prevê aportes em infraestrutura, com a construção de 150 km de ferrovia e um porto.   Continuação...