Siderúrgica chinesa fecha as portas com mercado fraco--mídia

quarta-feira, 26 de junho de 2013 07:53 BRT
 

PEQUIM, 26 Jun (Reuters) - Uma siderúrgica na província chinesa de Jiangxi, no leste da China, foi declarada insolvente e fechou depois de não quitar suas dívidas, elevando a tensão em um setor que enfrenta excesso de capacidade produtiva e preços fracos.

Siderúrgicas chinesas têm produzido num ritmo recorde nos últimos meses apesar da redução na demanda e um longo declínio nos preços diante do enorme excesso de capacidade. As dívidas totais do setor são estimadas em cerca de 400 bilhões de dólares e especialistas alertaram que fechamentos de empresas são inevitáveis.

A capacidade total do setor siderúrgico chinês é estimada em cerca de 1 bilhão de toneladas ante 716,5 milhões de toneladas de produção em 2012 e o governo tem dado sinais de emitir novas medidas em breve para resolver o problema.

Segundo o China Business News, o presidente da Jiangxi Pingte Iron and Steel, baseada em Pingxiang, é procurado por desvio de 200 milhões de iuans (33 milhões de dólares) depois que as linhas de crédito da companhia foram cortadas subtamente e a companhia fechou. Autoridades locais estão conduzindo uma investigação.

Uma autoridade do governo local na usina abandonada afirmou à Reuters que representantes de bancos locais vão conduzir uma auditoria sobre os equipamentos da empresa antes de uma venda para pagamento de dívidas.

"Estamos agora protegendo as instalações de roubo e não posso dizer mais nada", disse a autoridade, que não informou seu nome.

O setor siderúrgico chinês tem sofrido com excesso de capacidade há anos, mas o problema piorou depois de 2009, quando programas de estímulo à construção encorajaram usinas a contratarem empréstimos para financiarem novas expansões de produção.

A Pingte, fundada em 1998, tinha capacidade anual de 800 mil toneladas e em 2009 embarcou em um projeto para melhorar sua linha de produção. A empresa investiu 180 milhões de iuans para atualizar equipamentos de laminação, entretanto, os prejuízos cresceram nos últimos dois anos, segundo o jornal.

Analistas estimam que a preços atuais, as siderúrgicas da China estejam sofrendo prejuízo de cerca de 100 a 300 iuans (16 a 49 dólares) a cada tonelada de aço que vendem, mas as empresas estão mantendo a produção em níveis elevados para convencer bancos a continuar emprestando.

(Por David Stanway)