Crescimento do PIB dos EUA no 1º tri é reduzido para 1,8%

quarta-feira, 26 de junho de 2013 11:57 BRT
 

Por Lucia Mutikani

WASHINGTON, 26 Jun (Reuters) - O crescimento econômico dos Estados Unidos foi mais fraco do que estimado anteriormente no primeiro trimestre, em meio a um ritmo moderado de gastos do consumidor, fracos investimentos empresariais e queda das exportações.

Economistas alertaram contra tirar conclusões demais dos dados, já que eles se referem a uma conjuntura que ficou para trás, mas disseram que os números podem pesar sobre o Federal Reserve, banco central do país, ao avaliar se a economia está forte o bastante para começar a reduzir o estímulo monetário.

O Produto Interno Bruto (PIB) expandiu a uma taxa anual de 1,8 por cento, informou o Departamento do Comércio em sua estimativa final nesta quarta-feira.

O dado foi revisado ante alta de 2,4 por cento informada anteriormente, após aumento de 0,4 por cento no quarto trimestre de 2012.

Detalhes do relatório, que mostraram revisões para baixo em quase todas as categorias de crescimento, com exceção da construção de moradias e do governo, podem lançar uma sombra sobre a avaliação razoavelmente otimista da economia divulgada pelo Fed na semana passada.

"Isso dá (ao mercado) esperanças de que o Fed não irá reduzir de modo tão agressivo", disse o estrategista econômico-chefe da Vining Sparks, Craig Dismuke.

As condições do mercado financeiro vêm se apertando depois que o chairman do Fed, Ben Bernanke, disse na semana passada que o banco central norte-americano provavelmente vai começar a reduzir o ritmo das compras de títulos mais tarde neste ano e interromper o programa em 2014.

Os economistas temem que isso possa enfraquecer o crescimento, que vem mostrando sinais de aceleração recentemente.   Continuação...

 
Presidente dos EUA, Barack Obama, limpa suor da testa durante discurso na Universidade de Georgetown, em Washington. O crescimento econômico dos Estados Unidos foi mais fraco do que estimado anteriormente no primeiro trimestre, em meio a um ritmo moderado de gastos do consumidor, fracos investimentos empresariais e queda das exportações. 25/06/2013 REUTERS/Larry Downing