MMX mantém negociações com Glencore Xstrata e Trafigura

quarta-feira, 26 de junho de 2013 19:29 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 26 Jun (Reuters) - A MMX, empresa de mineração do grupo EBX, de Eike Batista, mantém negociações com Glencore Xstrata, Trafigura e outros investidores para operações que podem envolver a venda de ativos, informou a companhia nesta quarta-feira em comunicado ao mercado.

A empresa disse que tem avaliado oportunidades de negócios que incluem a venda de ações detidas por Eike, assim como de seus ativos.

"Contudo, não há, neste momento, qualquer documento assinado ou qualquer definição que permita à companhia afirmar que seguirá um ou outro caminho, motivo pelo qual não mencionou qualquer detalhamento sobre potenciais interessados".

Um fonte ligada ao grupo EBX, holding de Eike Batista, disse à Reuters que o projeto de expansão da MMX ficou caro para a companhia, que enfrenta dificuldades de crédito, assim como as demais companhias do grupo, diante de um elevado nível de endividamento.

O projeto Serra Azul, em Minas Gerais, está orçado em 4,8 bilhões de reais. Eike Batista estaria querendo vender o Porto do Sudeste, ativo mais valioso, juntamente com a mina, e não separadamente, segundo a fonte.

"A MMX manterá seus acionistas e o mercado em geral informados tão logo exista qualquer fato ou decisão passível de ser divulgada de maneira completa, suficiente e adequada", informou a empresa em comunicado.

Para o comprador, uma aquisição da MMX poderá ser um bom negócio devido ao grande potencial de produção e a um financiamento quase certo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), acrescentou a fonte, que falou sob condição de anonimato.

O pedido de empréstimo ao BNDES, da ordem de 3 bilhões de reais, está em análise no banco de fomento, segundo outra fonte com a par do assunto. A MMX já conseguiu empréstimo da instituição para financiar o Porto do Sudeste.

Os jornais Folha de São Paulo e Valor Econômico informaram na edição de terça-feira os potenciais interessados na MMX.

No mesmo dia, a Reuters informou que ativos de carvão da CCX e de ouro da AUX, além de participação na produtora de minério de ferro MMX estão à venda. (Reportagem de Sabrina Lorenzi; Edição de Aluísio Alves)