Brasil vai crescer abaixo de 3% em 2013 e inflação será maior, diz BC

quinta-feira, 27 de junho de 2013 11:11 BRT
 

Por Patrícia Duarte

SÃO PAULO, 27 Jun (Reuters) - Ao mesmo tempo em que vê a economia brasileira crescendo menos, o Banco Central piorou seus cenários de inflação para este e o próximo ano, citando também riscos trazidos pelo dólar mais elevado e reforçando o discurso duro contra a alta dos preços que levou ao ciclo de aperto monetário em andamento.

Para este ano, o BC prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro crescerá 2,7 por cento, ante 3,1 por cento estimados até então, mesmo desempenho visto em 2011, primeiro ano de governo da presidente Dilma Rousseff. No ano passado, o PIB cresceu apenas 0,9 por cento.

A previsão do BC para este ano ainda é melhor do que a colhida na pesquisa Focus, que aponta expansão de 2,46 por cento.

O BC argumenta que os indicadores de atividades já vistos no segundo trimestre sugerem continuidade da recuperação, como a retomada da indústria e a manutenção da expansão do consumo das famílias, apesar da estimativa de crescimento para esta variável ter recuado a 2,6 por cento, ante 3,5 por cento.

A inflação elevada tem afetado a demanda dos consumidores, uma vez que afeta o poder de compra da população.

E a perspectiva para a inflação piorou na visão do BC. Segundo o relatório, o IPCA ficará em 6,0 por cento neste ano pelo cenário de referência, ante previsão anterior de 5,7 por cento, e em 5,4 por cento em 2014, ligeiramente acima da estimativa anterior, de 5,3 por cento.

O indicador voltará a estourar o teto da meta do governo no segundo trimestre deste ano no acumulado em 12 meses, chegando a 6,8 por cento, recuando a 6,2 por cento no terceiro trimestre e a 6 por cento no quarto trimestre.

A meta de inflação é de 4,5 por cento, com tolerância de 2 pontos percentuais. Para o BC, as chances de o IPCA estourar o teto neste ano é de 29 por cento.   Continuação...