Sergipe faz acordo com grupo sino-saudita para fábrica de veículos

quinta-feira, 27 de junho de 2013 13:14 BRT
 

SÃO PAULO, 27 Jun (Reuters) - O governo de Sergipe assinou nesta quinta-feira protocolo de intenções com o grupo sino-saudita Amsia Motors para a construção da primeira montadora de veículos do Estado. O projeto, se concretizado, será o primeiro do Brasil voltado à produção de carros híbridos e elétricos.

Segundo a Amsia, companhia que trabalha em parceria com montadoras chinesas de veículos e que é financiada pelo grupo saudita Eram, a expectativa de investimento no projeto é de 1 bilhão de reais.

Apesar de grande parte da indústria de autopeças do Brasil ser baseada no Sudeste, o Nordeste tem atraído projetos de produção de veículos nos últimos anos diante do forte ritmo de crescimento da economia da região. A Fiat está construindo em Pernambuco sua segunda fábrica de automóveis no país, enquanto a chinesa JAC faz o mesmo na Bahia, Estado que já abriga um complexo fabril da norte-americana Ford.

O presidente da empresa, Mustafá Ahmed, e o príncipe saudita Faisal Al Saud, investidor do grupo, chegaram ao país no último fim de semana para acertar os últimos pontos do protocolo de intenções para a realização do projeto, que será instalado no município de Barra dos Coqueiros, na região metropolitana de Aracaju, afirmou a agência de notícias do governo sergipano.

A expectativa do governo do Estado é que a Amsia construa sua primeira fábrica própria na América Latina nos próximos 14 meses produzindo num primeiro momento carros de passeio para, numa segunda etapa, ampliar a produção para ônibus e implementos agrícolas.

Capacidades de produção ou expectativas de vendas não foram divulgadas.

O projeto foi anunciado apesar do Brasil ainda não ter uma legislação específica para a produção de carros híbridos e elétricos, cujo custo de produção elevado dificulta investimentos no segmento, segundo a indústria automotiva brasileira.

Apesar disso, Moeth Ahmed, diretor da área internacional da Amsia Motors, afirmou por meio de tradutor que "conhecemos o mercado brasileiro e estudamos o projeto por um bom tempo (...) Conhecemos a infraestrutura e temos um acordo no momento para contribuir com o crescimento do Estado, para que ele seja um dos grandes Estados do país dentro do setor industrial".

O Brasil é o quarto maior mercado de veículos do mundo e o sétimo maior em volume de produção. A expectativa da associação de montadoras Anfavea é que o país registre em 2013 o sétimo recorde seguido de vendas, com licenciamentos de cerca de 4 milhões de unidades.

(Por Alberto Alerigi Jr.)