Guarani deve revisar previsões de açúcar e etanol por chuvas e preço--CEO

sexta-feira, 28 de junho de 2013 15:01 BRT
 

Por Fabíola Gomes

SÃO PAULO, 28 Jun (Reuters) - A Guarani, controlada do grupo francês Tereos, está em processo de rever suas estimativas para produção de açúcar e etanol na temporada 2013/14, em função do clima chuvoso no centro-sul, que já provocou atrasos na colheita, e de olho nos preços internacionais da commodity, disse nesta sexta-feira o presidente da companhia.

"Estamos revendo nossa estimativa para o mix, inicialmente prevíamos 60 por cento para o açúcar e 40 para o etanol... Agora, podemos mudar isso", disse o presidente-executivo da Guarani, Jacyr Costa Filho, no intervalo do Ethanol Summit realizado em São Paulo.

Os futuros do açúcar bruto em Nova York caíram ao seu menor nível em quase três anos nesta sexta-feira.

A Guarani, um dos maiores grupos do setor, que conta com participação da Petrobras, estima moer 21 milhões de toneladas de cana nesta temporada, versus 18,2 milhões de toneladas do ciclo anterior.

A produção de açúcar é vista por ora em 1,7 milhão de toneladas, ante 1,5 milhão de toneladas do ciclo 2012/13. Já a produção de etanol é estimada em 700 milhões de litros na atual temporada, contra os 528 milhões de litros produzidos em 2013/14.

O executivo acrescentou que, pelo efeito das chuvas desde o início da temporada, em abril, a colheita poderá até se estender, a exemplo do que ocorreu no ano anterior.

"Abril foi complicado com as chuvas. Estamos com um atraso em torno de 12 por cento. Acreditamos que dá para recuperar... mas (a colheita) poderá entrar até dezembro", disse o executivo.

Ele esclareceu que, além das chuvas que atrasam a colheita e podem levar à mudança no perfil de produção no ano, o preço do açúcar também deve interferir no percentual de cana destinado à produção de etanol.   Continuação...