Dólar sobe 10,4% ante o real no 2º tri, com cenário externo

sexta-feira, 28 de junho de 2013 17:28 BRT
 

Por Bruno Federowski e Natália Cacioli

SÃO PAULO, 28 Jun (Reuters) - O dólar voltou a fechar com alta de mais de 1 por cento ante o real nesta sexta-feira, próximo às máximas do dia, apesar das atuações do Banco Central, movimento que tende a continuar no curto prazo, segundo a avaliação de especialistas.

A moeda norte-americana ganhou 1,63 por cento nesta sessão, a 2,2317 reais na venda, após atingir 2,2345 reais na máxima do dia. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro estava em torno de 3,6 bilhões de dólares.

Com isso, em junho, o dólar acumulou alta de 4,17 por cento ante o real. No trimestre encerrado neste mês, o avanço ficou em 10,40 por cento, o maior desde o segundo trimestre de 2012, quando a moeda norte-americano subiu 10,65 por cento.

No ano, até junho, a divisa ganhou 8,97 por cento.

"À medida que se aproxima do momento em que o Fed começará a reduzir os estímulos, vamos ter uma nova rodada de desvalorização das moedas ante o dólar", afirmou o estrategista-chefe do WestLB, Luciano Rosgtagno.

Os mercados ficaram estressados, sobretudo nas últimas semanas, diante dos sinais de que o Federal Reserve, banco central norte-americano, pode reduzir seu programa de compra de ativos ainda neste ano, o que diminuiria a liquidez internacional.

Nos últimos dias, integrantes do Fed saíram a público para tentar acalmar os mercados, afirmando que talvez o início das reduções dos estímulos não estaria tão perto.

Nesta sessão, porém, o pessimismo nos mercados globais havia voltado a crescer diante das declarações de Jeremy Stein, integrante do Fed, que citou setembro como uma possível data para reavaliar o estímulo do banco central.   Continuação...