BNDES e Caixa têm maior exposição aos problemas do grupo EBX, diz BofA

segunda-feira, 1 de julho de 2013 21:57 BRT
 

Por Guillermo Parra-Bernal

SÃO PAULO, 1 Jul (Reuters) - Os bancos estatais Caixa Econômica Federal e BNDES são os mais expostos à dívida do grupo EBX, disse o Bank of America Merrill Lynch nesta segunda-feira, enquanto investidores avaliam os riscos decorrentes de anos de grandes empréstimos contraídos pelo conglomerado mineiro e energético do bilionário Eike Batista.

Apesar de dados limitados sobre a exposição a empréstimos do grupo, o risco está concentrado em alguns dos maiores bancos do país, disseram em um relatório analistas liderados por Alessandro Arlant. As ações das empresas do grupo EBX afundaram nesta segunda-feira depois que a empresa de petróleo OGX declarou inviáveis vários projetos.

Os analistas concluíram que a exposição está concentrada em cinco bancos brasileiros, a começar pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social e a Caixa Econômica Federal, seguidos dos bancos privados Bradesco SA, Itaú Unibanco e grupo BTG Pactual SA, disseram Arlant e seu time de analistas.

Enquanto Arlant estima que os empréstimos concedidos por esses cinco bancos ao grupo EBX chegam a 9,42 bilhões de reais, o número pode estar subestimado por conta da falta de divulgação dos dados e dificuldades em avaliar quanto dessa exposição tem garantia colateral.

Uma porta-voz do Bradesco não quis comentar o relatório do BofA. Uma porta-voz do BNDES não comentou e alegou que alguns contratos com clientes estão sujeitos ao sigilo bancário. Assessores de imprensa do Itaú, Caixa e BTG Pactual não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

PREJUÍZO COLATERAL

Por anos, Eike Batista deu ações de suas companhias como garantia colateral de empréstimos tomados para construir plataformas de petróleo, desenvolver poços e explorar minério de ferro. Nos últimos meses, contudo, o bilionário mudou de rumo e passou a vender ativos e pagar dívidas para reduzir exigências de garantias colaterais.

No fim do ano passado, as seis companhias de Eike negociadas em bolsa tinham uma dívida líquida total de cerca de 15 bilhões de reais, de acordo com dados da Thomson Reuters.   Continuação...