Vendas de veículos em junho sobem 0,76% sobre maio

terça-feira, 2 de julho de 2013 15:24 BRT
 

SÃO PAULO, 2 Jul (Reuters) - O setor de distribuição de veículos encerrou o primeiro semestre com uma perspectiva cautelosa para o restante do ano, diante de possíveis novas altas de juros para conter a inflação e instabilidade social nos grandes centros que afeta o varejo.

Apesar dos concessionários apurarem um crescimento de cerca de 4,8 por cento nas vendas de veículos de janeiro a junho, a associação que representa o setor, Fenabrave, espera aumento do rigor dos bancos na concessão de financiamentos nos próximos meses.

"Minha maior preocupação são os juros (...) é de se esperar que o critério de aprovação de financiamentos bancários fique mais severo por causa da inflação e da alta dos juros e do câmbio (desvalorização do real contra o dólar)", afirmou o presidente da Fenabrave, Flavio Meneghetti, nesta terça-feira.

A diretora da consultoria MB Associados, Tereza Fernandez, que assessora a Fenabrave, citou risco de aumento da inflação por causa da desvalorização do real, cenário que impulsiona a expectativa de juros do país para "9,5 por cento ou até aos dois dígitos" até o final do ano.

As vendas de veículos no primeiro semestre somaram 1,798 milhão de unidades, excluindo motocicletas e implementos rodoviários, ante 1,716 milhão no mesmo período de 2012. Apenas em junho, o setor apurou emplacamentos de 318,6 mil unidades, crescimento de 0,76 por cento sobre maio, mas queda de 9,8 por cento sobre um ano antes.

Segundo Meneghetti, apesar das manifestações que atingiram grandes capitais do país em junho, o desempenho das vendas de veículos no interior do Brasil ajudou a compensar quedas nos grandes centros.

Já a queda na comparação anual ocorreu diante da forte base de comparação, já que junho de 2012 foi o primeiro mês a apurar efeito total da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) nas vendas de veículos.

A expectativa do presidente da Fenabrave é que as vendas de julho tenham pelo menos o mesmo patamar de média por dia útil apurado em junho, de 15.145 carros e comerciais leves. No semestre, a média foi de 13.998 unidades, acima das 13.164 da primeira metade de 2012.

Ele afirmou que o setor não deverá repetir fortes taxas de crescimento mensal verificadas no ano passado, diante da diluição do efeito da redução do IPI desde o fim de maio de 2012.   Continuação...