Governo acredita que nova taxa de retorno do trem-bala atrairá investidor

terça-feira, 2 de julho de 2013 20:29 BRT
 

Por Leonardo Goy

BRASÍLIA, 2 Jul (Reuters) - A taxa de retorno fixada pelo governo para o leilão de concessão do trem-bala é suficiente para atrair investidores para o projeto que ligará Campinas, São Paulo e Rio de Janeiro, disse nesta terça-feira o diretor da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), Hélio Mauro França.

A taxa de retorno do projeto foi elevada para 7 por cento, ante os 6,32 por cento propostos inicialmente na minuta do edital, conforme havia antecipado a Reuters na sexta-feira.

O leilão do trem-bala deveria ter ocorrido em dezembro de 2010, mas a licitação foi adiada para abril de 2011 e depois para julho daquele ano. Como nenhuma empresa ou consórcio entregou proposta naquela ocasião, o governo mudou o modelo da licitação, dividindo o projeto em duas partes.

Na tentativa de atrair investidores, o governo vem elevando as taxas de retorno das principais concessões na área de logística lançadas ano passado pela presidente Dilma Rousseff.

Para as rodovias, por exemplo, a taxa subiu de 5,5 por cento para 7,2 por cento.

França disse houve uma estimativa de que a taxa para o trem-bala poderia subir ainda mais --cogitou-se chegar a cerca de 8 por cento. "Mas, quando foram usados os parâmetros adequados (para o cálculo), chegou-se aos 7 por cento", disse.

O diretor da EPL afirmou que a atratividade do projeto precisa ser analisada menos pelos 7 por cento e mais pelos 13,6 por cento de retorno calculado para o capital próprio investido pelo acionista -ou seja, descontado o financiamento de 70 por cento do BNDES-, que subiu dois pontos porcentuais.

Segundo França, o aumento da taxa de retorno do trem-bala levou à redução do valor da outorga mínima a ser paga pelo vencedor do leilão, de 70,31 reais por quilômetro rodado por trem padrão, para 68,08 reais.   Continuação...