Bancos espanhóis não precisam de ajuda da UE no momento--BCE

sexta-feira, 5 de julho de 2013 12:05 BRT
 

BERLIM (Reuters) - Os bancos espanhóis não precisam no momento de mais ajuda europeia, segundo um documento da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu obtido pela Reuters nesta sexta-feira.

As instituições financeiras espanholas, atingidas fortemente pela recessão de cinco anos e prejudicada pelo estouro de uma bolha imobiliária, receberam da Europa ajuda financeira de 41,3 bilhões de euros de uma linha potencial de até 100 bilhões de euros.

"Não há razão neste momento para prever um novo programa de desembolsos", afirma o relatório. O auxílio foi utilizado para a recapitalização dos bancos com apoio estatal e para injeção de capital em um chamado banco ruim, que tomou empréstimos podres e ativos de propriedade desvalorizados do sistema financeiro.

O relatório, que também envolveu especialistas do Fundo Monetário Internacional (FMI) como um monitor independente, disse que assegurar a lucratividade bancária representa um grande desafio dado as baixas taxas de juros e o aumento na dívida ruim.

"Um prolongamento das tendências negativas de desemprego, renda e solvência das empresas além das atuais expectativas elevará os riscos particularmente para os bancos mais fracos", disse o relatório.

A estabilidade do setor financeiro espanhol ainda pode ser prejudicada pela incerteza sobre a repartição de encargos, no qual a extensão das perdas pode ser repassada para os investidores nos bancos, diz o documento.

Além disso, há incertezas sobre o processo de arbitragem com o qual alguns investidores tentarão provar que foram enganados em investimentos complexos nos bancos, disse o documento.