ENTREVISTA-Protestos no Brasil podem não afetar investimento, diz Banco Mundial

sexta-feira, 5 de julho de 2013 18:39 BRT
 

Por Anthony Esposito e Felipe Iturrieta

SANTIAGO, 5 Jul (Reuters) - Os protestos nacionais no Brasil não devem impactar os investimentos na maior economia da América Latina, mas isso depende da resposta do governo às demandas sociais, disse o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, em entrevista na sexta-feira.

As grandes manifestações das últimas semanas, envolvendo temas como transportes, corrupção e os gastos nos preparativos para a Copa de 2014, abalaram o "establishment" político do Brasil, motivando uma enxurrada de promessas de melhoria dos serviços públicos, além de algumas medidas concretas destinadas a acalmar a situação nas ruas.

"Acho que, dependendo das respostas do governo a esses protestos, podemos não ver uma queda no investimento", disse Kim à Reuters durante visita ao Chile.

Embora louvando os esforços brasileiros de inclusão social, Kim salientou que há grandes reivindicações não atendidas por igualdade de oportunidades.

"Os brasileiros têm estado muito focados. Têm sido muito específicos sobre o que querem. Eles querem melhores hospitais, querem melhores oportunidades educacionais, querem melhores controles sobre os preços, querem preços mais baixos para as passagens de ônibus e outras coisas", disse Kim.

"Os níveis de inflação no Brasil estão relacionados aos protestos que temos. É realmente difícil dizer se esses números vão subir ou descer."

A inflação acumulada em 12 meses até junho foi a maior em 20 meses, a 6,7 por cento, mas aquém do que se previa, o que sustenta a expectativa de que os preços ao consumidor passarão a subir menos depois de uma acentuada desvalorização cambial nas últimas semanas.

MOVIMENTOS SOCIAIS   Continuação...